Marcio Porto
02/01/2018
06:15
São Paulo (SP)

O Corinthians esperava utilizar Lucca como uma fonte para reforçar o elenco da temporada 2018, mas até o momento não conseguiu incluir o jogador em nenhuma negociação. Sendo assim, contrariando as expectativa, a tendência é que o atacante inicie o ano se reapresentando com o elenco do técnico Fábio Carille, na próxima quarta-feira. 

A diretoria bem que tentou. Apenas com o São Paulo, foram duas negociações em que o nome de Lucca foi envolvido. Primeiro, cogitou-se uma troca pelo lateral-esquerdo Júnior Tavares, mas as tratativas naufragaram a partir do momento em que a mãe de Tavares fez comentários desrespeitosos com o Corinthians nas redes sociais. 

Pouco depois, mais uma vez apareceu o São Paulo, destino para o qual Lucca se mostrou disposto. Isso porque o Cruzeiro tentou envolvê-lo na negociação para manter o volante Hudson, cujos direitos estão ligados ao clube do Morumbi. A Raposa tem parte dos direitos econômicos de Lucca e houve conversas para uma negociação envolvendo os três clubes. No entanto, desta vez o clube mineiro desistiu do volante e novamente a situação não evoluiu. 

A cartada principal na janela para Lucca, porém, envolve outro tricolor, o carioca. Ele foi um dos nomes colocados à disposição da diretoria do Fluminense na negociação pelo meia Gustavo Scarpa. Neste caso, ao contrário do que aconteceu com o São Paulo, Lucca que não se empolgou. É que os cariocas vivem situação financeira delicada e estão com dificuldade de apresentar garantias para pagamento de salário. Isso fez com que travassem outras conversas, como com o Palmeiras, por exemplo.

Ainda não está descartado que Lucca seja envolvido em um possível negócio com Scarpa, mas a comissão técnica já conta com sua apresentação. Ele não estava nos planos do técnico Fábio Carille, mas o fato de o Corinthians também não ter conseguido contratar um ponta além de Júnior Dutra faz com que o comandante pense em utilizá-lo. 

Lucca tem contrato com o Corinthians até julho de 2019. Atuou em 2017 emprestado à Ponte Preta e marcou 13 gols no Campeonato Brasileiro, mesmo com a equipe sendo rebaixada. A diretoria do Corinthians, que possui 60% dos direitos econômicos, esperava propostas para negociá-lo, mas tampouco recebeu algo que o satisfizesse.