Thiago Ferri
27/11/2016
18:55
São Paulo (SP)

Depois de uma semana que pareceu demorar 22 anos para passar, o palmeirense enfim trocou o grito de “seremos campeões” por “é campeão”. Dominante durante toda a campanha, o Verdão assegurou o título brasileiro neste domingo, com uma rodada de antecedência, ao vencer a Chapecoense por 1 a 0 para quase 41 mil pessoas – recorde absoluto de público no Palestra Itália. É a 12ª conquista nacional do clube, o maior do Brasil neste quesito.

O campeonato desde o inicio teve a cara alviverde. Mas o palmeirense, sempre desconfiado, não quis atrapalhar a corrente que fez com o elenco pela conquista que não vinha desde 1994. Foi cauteloso, sofreu e não cantou vitória antes do tempo, mesmo com o forte time de Cuca vencendo críticas, jogos e dando mínimas chances aos rivais. Se antes falavam de 2009, esqueça! Fantasma exorcizado. Ainda assim, o grito de campeão veio sair apenas aos 36 minutos do segundo tempo.


No jogo da taça, o Verdão foi aguerrido como sempre, correu poucos riscos como sempre e abriu o caminho para vencer em uma jogada bem ensaiada por Cuca, que contou também com uma pitada de sorte de Fabiano. O lateral foi fazer seu primeiro gol no clube logo no domingo! Antes contestado, virou herói.

Com o gol cedo do Flamengo diante do Santos, o torcedor pôde curtir mais calmamente o jogo, embora a “calma” não combine com o palmeirense. Ainda assim, pôde ver Cuca, o técnico que é a cara do clube, cumprir a promessa de título e gritar seu nome; pôde ver a despedida no Allianz Parque do meteoro Gabriel Jesus, que tentou muito o gol, mas passou em branco.

Pôde homenagear o ídolo Fernando Prass, que entrou nos últimos minutos do jogo após quase quatro meses fora. Depois de tudo que passou nos últimos anos, esta era uma tarde em que as lágrimas do palmeirense eram até necessárias para, permita aqui o clichê, lavar a alma. Um domingo inesquecível.

O título coroa: Jailson, a “revelação“ de 35 anos; os campeões Dracena, Egídio e Jean; o guerreiro Zé Roberto, que venceu o primeiro Brasileiro aos 42 anos; os garotos Mina, Vítor Hugo Tchê Tchê e Róger Guedes; os coadjuvantes Fabiano, Thiago Santos e Cleiton Xavier, e os decisivos Jesus, Moisés e Dudu. O país, de novo, é verde e branco. A torcida canta: “vai sacudir essa cidade, meu Palestra campeão”. Pois o Verdão fez mais: sacudiu o Brasil!


FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 1 X 0 CHAPECOENSE

Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data-Hora: 26 de novembro de 2016 (domingo), às 17h (de Brasília)
Árbitro: Anderson Daronco - RS (FIFA)
Assistentes: Rafael da Silva Alves - RS (ASP-FIFA) e Alexandre A Pruinelli Kleiniche (RS)- RS (CBF-1)
Cartões amarelos: Fabiano (PAL), Bruno Rangel e Marcelo (CHA)
Público/Renda: 40.986 / R$ 4.171.317,26
Gol: Fabiano 25' 1ºT (1-0)

PALMEIRAS: Jailson (Fernando Prass 45' 2ºT); Fabiano (Gabriel 30' 2ºT), Edu Dracena, Vitor Hugo e Zé Roberto; Tchê Tchê (Thiago Santos 35' 2ºT), Jean e Moisés; Dudu, Gabriel Jesus e Róger Gudes. Técnico: Cuca

CHAPECOENSE: Danilo; Gimenez, Marcelo, Filipe Machado e Alan Ruschel; Matheus Biteco, Sérgio Manoel e Cleber Santana (Gil - intervalo); Tiaguinho (Ailton Canela 28' 2ºT), Bruno Rangel (Kempes 31' 2ºT) e Lucas Gomes. Técnico: Caio Júnior