Jonas Moura
12/06/2018
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

Dos jornais de seu pai, Deryk Ramos descobriu uma paixão. E, a cada dia, ele a vive de forma mais intensa. O ala-armador, campeão do último NBB pelo Paulistano e primeiro reforço do Flamengo para a próxima temporada, tem colhido os frutos de seu “vício” por jogar basquete e terá no Rubro-Negro a chance de decolar.

Com apenas 23 anos, o paulista de Limeira é conhecido pela maturidade e sabedoria na quadra. Para ajudar a equipe da capital paulista a alcançar seu primeiro título brasileiro, contra o Mogi das Cruzes, Deryk teve cabeça fria e paciência para esperar as oportunidades. Ele concorre ao prêmio de Melhor Sexto Homem do torneio, contra Marcelinho Machado, do Flamengo, e o argentino Enzo Cafferata, do Caxias. Os vencedores saem amanhã.

– Comecei a jogar porque meu pai comprava os jornais, e sempre havia notícias do time profissional de Limeira. Um dia, resolvemos assistir e foi emocionante. Senti uma paixão pelo basquete, que virou algo até um pouco paranoico, de querer treinar e me dedicar – falou o jogador, em entrevista ao LANCE!.

Com passagens pelo time de sua cidade e Brasília, Deryk terminou o NBB como cestinha do Paulistano, com média de 12,4 pontos por jogo, e líder de bolas de três convertidas pela segunda vez nas últimas três edições, com 108 (2,6 por jogo). O contrato com o Fla vale por duas temporadas.

Aposta do técnico Gustavo De Conti, com quem manterá no Rio de Janeiro a parceria da última temporada, o atleta era considerado por técnicos um “reserva em condições de ser titular em qualquer equipe”. Foi disputado por outros times grandes, como Franca, mas decidiu seguir o comandante.

– Sabia que tinha de ter a cabeça boa, independentemente de como o Gustavo gere o time no jogo, se eu ficaria 20 segundos ou 10 minutos em quadra. Tinha de ter tranquilidade de entender que, às vezes, não era meu momento, mas ele poderia chegar – disse Deryk, que deixa São Paulo com grandes recordações:

– Desde o início, independentemente da valorização quanto ao orçamento ou favoritismo, nós tínhamos total consciência de que aquele era um grupo escolhido a dedo.

As premiações não vêm de hoje. No NBB 2014/15, Deryk levou o prêmio de Destaque Jovem. Um ano depois, foi campeão da Liga Sul-Americana e eleito MVP das finais, pelo Brasília.

– Desafios como esse me movem. Não vejo a hora de pisar em quadra pelo Mengão – falou Deryk, que terá ao seu lado Marquinhos e Anderson Varejão.

BATE-BOLA
Deryk Ramos Ala-armador do Flamengo, ao L!

‘Eu tinha a meta de ser mais completo’

Foi surpresa liderar o NBB em bolas de três pela segunda vez?
De um tempo para cá, o arremesso de três passou a ser mais forte no meu estilo de jogo. É algo que aparece naturalmente. Não é forçado. Mas é uma situação que evoluiu nas minhas últimas temporadas. Mas, bem além disso, eu me tornei o mais completo possível, pela minutagem e produção. Eu tinha o foco de conseguir isso.

Quais são suas maiores metas?
Quero ser o mais completo possível. Tive um crescimento e quero mantê-lo. Posso elevar meu nível e o que tiver que acontecer, será naturalmente.

Temeu passar por mais um desmanche de time na sua carreira?
Vejo que o basquete brasileiro de clubes está em seu melhor momento. Não é impossível, mas não acho que a chance de acontecer seja grande. A Liga Ouro está disputada, e as equipes têm o objetivo de entrar no NBB.

Quem são suas inspirações?
Procuro tirar algo de cada um que assisto para melhorar. Sempre tive afinidade boa com Fúlvio e Huertas.