Palmeiras

Vitor Hugo disputa bola com Herrera durante o jogo no Gigante de Arroyito (Foto: Cesar Greco)

LANCE!
07/04/2016
11:49
São Paulo (SP)

* João Carlos Assumpção (colunista do LANCE!)

A participação dos brasileiros na Libertadores-2016 tem sido pífia, com Grêmio, Palmeiras e São Paulo chegando à reta final da fase de grupos ameaçados pela eliminação. O problema maior, porém, não é a desclassificação e sim o futebol que os três têm apresentado. Fizeram algumas partidas sofríveis, de baixo nível técnico e tático, retratando o que se passa com o futebol brasileiro, como se fossem um reflexo de nossa Seleção. E de fato o problema não está apenas na Seleção, fora da zona de classificação para a Copa-2018.

Galo e Corinthians têm mandado bem, OK, mas o São Paulo parece que pediu para ser eliminado. Exceção feita ao jogo de terça, seu melhor na atual temporada, deixou a desejar nos outros três e deu vexame na estreia da fase de grupos em casa. O Verdão tinha o jogo nas mãos contra o Rosario, da Argentina, mas perdeu dois pontos porque não tem defesa organizada e faltou cabeça. Nervosismo impressionante, pênalti infantil, expulsão de Gabriel Jesus, idem.

E nos Estaduais já vi partidas tenebrosas dos três também. Grêmio, Palmeiras e São Paulo.

Continuo dizendo que a crise de nosso futebol passa pelo modelo de gestão. Dos três e da própria CBF, que deveria ser refundada com outro nome, outra estrutura, cuidando só da Seleção e deixando uma liga de clubes para administrar o Brasileirão.

Mas desunidas do jeito que estão não vejo luz no fim do túnel para as agremiações e para a própria CBF. Não chegamos ao fundo do poço porque nossos dirigentes não param de cavar e cavar e cavar.