Infantino

Infantino falou sobre Neymar em coletiva na Rússia (Foto: Divulgação)

Bernardo Cruz e Marcio Porto
13/07/2018
06:49
Enviados especiais a Moscou (RUS)

A participação de Neymar na Copa do Mundo na Rússia foi assunto na entrevista de Gianni Infantino, presidente da Fifa, nesta sexta-feira em Moscou. O dirigente da entidade máxima do futebol foi perguntado sobre a atuação do craque brasileiro, que saiu muito criticado do Mundial, e não escondeu o constrangimento. Infantino começou elogiando, evitou comentários sobre as possíveis simulações, objeto de maior crítica, mas caiu na gargalhada em determinado momento.

- É um grande jogador. É um talento e quem me conhece sabe que quando estou diante de jogadores tão talentosos, que fazem o mundo sonhar, não posso dizer nada negativo sobre eles. Neymar é um desses - afirmou Infantino, para depois ficar constrangido ao tentar falar sobre as simulações. 

- (após risos) Bom... Tenho de certeza que Neymar vai nos mostrar muito mais das suas reais habilidades no futuro - completou.

A imprensa internacional repercutiu de forma muito negativa a participação de Neymar na Copa do Mundo. O jogador brasileiro foi acusado de simular faltas ou exagerar na encenação quando elas aconteciam, e imagens suas caído no gramado viraram inúmeros memes e motivo de chacota mundo afora. Ex-jogadores, como o holandês Van Basten, também fizeram duras críticas. Um desafio (Neymar Challenge) foi criado, em que as pessoas imitam a reação do atleta nas faltas sofridas, brincando com sua fama de cai-cai. 


A repercussão irritou o jogador e as pessoas que o cercam. A namorada Bruna Marquezine bloqueou os comentários em seu Instagram, rede social em que possui quase 30 milhões de seguidores. O craque já havia feito o mesmo antes da Copa. Só quem também é seguido por eles pode tecer comentários nas páginas.

Neymar marcou dois gols, um contra a Costa Rica e outro contra o México, na Copa do Mundo, e não conseguiu ser decisivo para evitar a eliminação do Brasil nas quartas de final para a Bélgica. Antes da Copa, ele fraturou o dedinho do pé direito e passou três meses se recuperando. Voltou pouco antes do Mundial, e na fase decisiva a comissão técnica da Seleção julgava que ele estava 100%.