Karma, do tiro com arco de Butão (Foto: Franck Fife/AFP)

Karma, do tiro com arco de Butão (Foto: Franck Fife/AFP)

Igor Siqueira
10/08/2016
07:40
Rio de Janeiro (RJ)

Você sabe onde fica o Butão? É um pequeno país asiático que fica espremido entre a China e a Índia e que tem o tiro com arco, modalidade olímpica, como uma das tradições milenares. E coube a uma atiradora baixinha (1,62m de altura), de 26 anos, com o sugestivo nome Karma - isso mesmo, sem sobrenome - representar o país com arco e flecha nos Jogos Rio-2016. 

Mas não é só isso. A delegação de atletas de Butão tem nada menos do que duas pessoas - Karma e Lenchu Kunzang, do tiro esportivo -, o que aumenta ainda mais a responsabilidade sobre ela. Ou seja, são duas mulheres que deixam os homens "no sofá" torcendo por elas no evento esportivo mais importante do planeta. Como Karma foi eliminada e o tiro esportivo já acabou, Butão é o primeiro país a se despedir das disputas na Rio-2016.

- Butão é um país pequeno. Eu não me sinto nervosa por estarem só duas pessoas aqui na Olimpíada. Eu me sinto animada, porque as pessoas estão nos assistindo, fico muito feliz. Tiro com arco é um esporte nacional no Butão. A diferença é que temos uma modalidade mais tradicional, não com esse arco - disse Karma em entrevista ao LANCE! após encerrar a participação dela na competição individual do tiro com arco no Sambódromo.

Na visão de Karma, que foi eliminada pela russa Tuiana Dashidorzhieva na primeira fase, não há ciúme masculino por só haver mulheres representando Butão na Rio-2016.

- Não acho que eles ficam com ciúme, acho que ficam orgulhosos de mim, porque eu vim aqui pela primeira vez. Acho que estão mais felizes do que eu - disse ela.

A importância de Karma e do tiro com arco é tão grande para os butaneses que até o príncipe e outros dirigentes do país vieram prestigiar in loco o desempenho da atleta e eles fizeram questão de cumprimentá-la no palco do carnaval carioca. Com direito a roupas típicas e tudo.

A atiradora foi, inclusive, a porta-bandeira do Butão na cerimônia de abertura. Até porque não havia tantas opções assim na delegação com duas pessoas.

Depois de representar seu país, Karma agora quer aproveitar um pouco o Rio antes de voltar para casa.

- Eu fico animada, porque a maioria dos campeões do mundo estão aqui. Então em vim para encontrá-los. Vou conhecer a cidade. Tenho que aproveitar - avisou ela, que espera repetir a dose e se classificar para Tóquio-2020.