Pedro Paulo

Pedro Paulo é candidato a prefeito pela coligação "Juntos Pelo Rio" (Foto: Divulgação)

RADAR / LANCE!
30/09/2016
07:10
Rio de Janeiro (RJ)

No próximo domingo, a população do Rio de Janeiro vai às urnas na busca por traçar os rumos da política de sua cidade. Prestes a encerrar o Primeiro Turno da corrida eleitoral, o LANCE! traz, em entrevista exclusiva, os planos que o candidato a prefeito Pedro Paulo (PMDB) tem para o Esporte nos próximos quatro anos.

1 - O Rio ganhou vários equipamentos esportivos de classe mundial para a Olimpíada. Como a sua gestão pretende utilizá-los?

Todas as arenas construídas para os Jogos têm o que chamamos de “modo legado”. Para garantir o uso das arenas, que serão usufruídas pelo carioca, foi feito um detalhado planejamento da ocupação dos equipamentos para fins educacionais, esportivos, sociais e de lazer, como mencionado anteriormente. E o meu Plano de Governo traz outras propostas para os equipamentos e a área do Parque Olímpico e Paralímpico. Dentro do meu objetivo de universalizar o ensino integral na rede, com a contratação de 12 mil professores e construção de 314 escolas, a Arena do Futuro em arquitetura nômade, será transformada em quatro novas escolas. O Estádio Aquático será convertido em dois ginásios esportivos com piscinas em áreas carentes. Já as demais arenas estarão disponíveis para treinamento esportivo dos atletas de alto rendimento e lazer da população.

Falando em lazer, toda a infraestrutura de Deodoro será disponibilizada à população na forma de um grande parque que ganhará mais área verde e novos espaços para prática esportiva, oferecendo mais um grande espaço público de lazer para mais de um milhão de habitantes dos bairros e municípios vizinhos. E a Via do Parque Olímpico e Paralímpico será aberta ao público na forma de um parque com 50 mil metros quadrados.

A administração de alguns equipamentos será realizada pela iniciativa privada, o que vai facilitar o investimento em projetos sociais nos espaços que estimulem a prática do esporte amador.

2 - A secretaria de esportes vai ser ocupada por alguém com forte conhecimento e ligação com a área ou vai ser usada em barganha política para algum partido da sua coligação?

Não tenho preconceitos em relação a perfis técnicos ou políticos. O tema é muito importante e a escolha da pessoa que ocupará a pasta será feita com base na competência e habilidade para planejar e executar as políticas públicas na área.

3 - Qual sua opinião sobre a importância da Educação Física nos ensinos fundamental e médio?

A prática de exercícios aliada ao ensino escolar já está consolidada como um método que traz bons resultados. Tem benefícios evidentes para a saúde, criando novos hábitos e interesses, e é um estímulo ao convívio social importante para a formação das crianças e jovens. E, além disso, testes que avaliam o desempenho escolar mostram que o esporte aliado ao horário integral oferece os melhores resultados. Os GEOs, por exemplo, têm as melhores notas no município. Notas dois a três pontos maiores, em média, que as escolas em turno parcial e até mesmo que as escolas que estão em turno integral. O último IdeRio apontou que a média dos alunos dos últimos anos das escolas em turno convencional foi 5,6 e nas unidades em tempo integral, 6,8. Já nos ginásios experimentais olímpicos, a média registrada foi de 7,6.

4 - Em sua visão é possível a prefeitura ajudar de alguma forma os grandes clubes do Rio a se reerguerem tanto administrativamente quanto esportivamente? Qual a sua ideia ou sugestão sobre o assunto?

Pretendo apresentar um projeto de lei de incentivo ao esporte nos moldes da lei municipal com benefícios fiscais para a Cultura.

5 - Qual deve ser o modelo de uso do Maracanã, já que o atual concessionário alega que não é viável no modelo atual? A Prefeitura teria interesse em gerir este equipamento?


Sim. Vou, como prefeito, defender junto ao Governo do Estado que se municipalize o Maracanã para que, uma vez sob responsabilidade de prefeitura, nós possamos fazer a concessão à iniciativa privada, trazendo clubes como o Flamengo e o Fluminense para a gestão do estádio. Não tenho a menor dúvida de que os clubes, que já demostraram interesse em assumir este papel, têm condições de devolver ao Maracanã o posto de grande palco do futebol carioca, brasileiro e mundial.