Flávio Bolsonaro

Flavio Bolsonaro é candidato a prefeito do Rio com a coligação "O Rio Precisa de Força Para Mudar" (Foto: Divulgação)

RADAR / LANCE!
30/09/2016
07:30
Rio de Janeiro (RJ)

No próximo domingo, a população do Rio de Janeiro vai às urnas na busca por traçar os rumos da política de sua cidade. Prestes a encerrar o Primeiro Turno da corrida eleitoral, o LANCE! traz, em entrevista exclusiva, os planos que o candidato a prefeito Flávio Bolsonaro (PSC) tem para o Esporte nos próximos quatro anos.

1 - O Rio ganhou vários equipamentos esportivos de classe mundial para a Olimpíada. Como a sua gestão pretende utilizá-los?

Dentro da mesma filosofia de ocupação por clubes e federações, que possuem muito maior conhecimento técnico para utilizarem com máxima eficiência os aparelhos esportivos do que a Secretaria de Esporte. Vamos promover parcerias onde os clubes, as federações e os atletas sejam os protagonistas e as estrelas, não a Prefeitura ou os políticos.

2 - A secretaria de esportes vai ser ocupada por alguém com forte conhecimento e ligação com a área ou vai ser usada em barganha política para algum partido da sua coligação?

Certamente, será ocupada por um nome da área. Nossa candidatura é a única com independência para escolher os melhores nomes para cada pasta. Essa é a marca da minha família: ética e independência acima de tudo. E a tecnocracia e meritocracia serão marca não somente na pasta do esporte, mas nas demais também.

3 - Qual sua opinião sobre a importância da Educação Física nos ensinos fundamental e médio?

Será fundamental na formação plena do aluno carioca, tanto física como mentalmente. O esporte cria caráter, ética, saúde e vontade de competir, elementos essenciais na formação de um cidadão autônomo e independente. E o contra-turno das aulas no ensino fundamental, que é onde a prefeitura atual, terá a educação física como prioridade.

4 - Em sua visão, é possível a prefeitura ajudar de alguma maneira os grandes clubes do Rio a se reerguerem tanto administrativamente quanto esportivamente? Qual a sua ideia ou sugestão sobre o assunto?

A Prefeitura atuará respeitando a autonomia financeira e administrativa dos clubes. Não haverá nenhuma interferência ou ajuda nesse sentido. Por outro lado, sempre que um clube precisar da ajuda da prefeitura na desburocratização do uso de imóveis particulares, apoio na organização de eventos, cessão de uso de imóveis públicos desocupados para prática desportiva, entre outras ações onde nossa atuação como ente público for essencial, estaremos à disposição.

5 - Qual deve ser o modelo de uso do Maracanã, já que o atual concessionário alega que não é viável no modelo atual? A prefeitura teria interesse em gerir este equipamento?


Vamos deixar claro: na minha gestão não haverá a menor possibilidade da Prefeitura gerir o Maracanã. Chance zero. O dinheiro público vai para áreas prioritárias como educação, saúde, segurança... e esporte! Mas esporte de base, esporte como instrumento de educação, gerido por clubes e federações em parcerias com a Secretaria e com escolas municipais. Para esse tipo de investimento sim, não faltará recursos. O Maracanã deve ser gerido por quem entende: clubes, federações ou empresas especializadas.