Final do Paulista de vôlei

Maira de olho no levantamento de Roberta (João Neto/Fotojump)

Web Vôlei
09/11/2019
01:15
São Paulo

São Paulo/Barueri fez história. Num ataque na paralela dela, a oposta Lorenne, o Tricolor fechou o tie-break em 15 a 11 e comemorou o primeiro título de Campeonato Paulista feminino de vôlei de sua história, numa virada épica sobre o poderoso Osasco/Audax, por 3 sets a 2 – depois de estar perdendo por 2 a 0 -, em pleno Ginásio José Liberatti, na noite desta sexta-feira, em Osasco. As parciais foram 22-25, 20-25, 26-24, 25-22 e 15-11.

O time do técnico José Roberto Guimarães fez a festa na casa do adversário com toda autoridade. Com um time jovem, porém dedicado, disciplinado e com a cara do treinador tricampeão olímpico, com muito volume de jogo e variação de jogadas, o Barueri fez o que parecia impossível. Ao menos no papel.

Nas semifinais, eliminou o Sesi/Bauru, outro time com um investimento muito maior, e jogadoras já consagradas. Depois de ter perdido o primeiro jogo por 3 a 0, carimbou a vaga na final devolvendo o placar em Bauru e vencendo o golden set.

Nesta sexta, pela final, a vitória foi ainda mais emocionante. O Tricolor ganhou a primeira partida do playoff, quarta-feira, em Barueri, por 3 a 0, e foi para o caldeirão de José Liberatti com a missão de impedir o 15º título estadual da história das donas da casa.

Depois de perder os dois primeiros sets, com 4 mil torcedores de pé no ginásio, uma virada parecia algo pouco improvável. Mas não impossível para essa equipe guerreira, que mostrou que não tem bola perdida, não tem orçamento maior do outro lado e jogadoras com salários maiores que metam medo.

Lorenne foi o grande destaque do time, que tem na força do seu conjunto o segredo do sucesso. Emocionada, com lágrimas escorrendo e a voz embargada, a oposta, ex-Osasco, falou sobre a conquista inédita para Barueri.

– Essa juventude está vindo com tudo, com garra. Agradeço a oportunidade de poder estar mostrando o meu vôlei. Agradeço a torcida, que é incrível, esse time… Eu venho crescendo muito e agradeço a Deus. Agradeço porque estou tendo a oportunidade de jogar e de voltar a ter ritmo de jogo – disse a jogadora, bastante emocionada.

Osasco/Audax: Roberta, Casanova, Jaque, Bjelica, Mara, Bia e Camila Brait (líbero). Entraram: Kika, Vanessa, Pri Heldes. Técnico: Luizomar de Moura

São Paulo/Barueri: Juma, Lorenne, Maira, Tainara, Mayany, Diana e Nyeme (líbero). Entraram: Jacke, Kisy, Lays, Dani Terra. Técnico: José Roberto Guimarães