Federer e Djokovic

Número 1 do mundo, Djokovic pode enfrentar Federer, com quem formou dupla na Laver Cup (Foto: Divulgação)

LANCE!
11/11/2018
15:35
Guilherme Gomes Pinto (Londres)

Último torneio da temporada de tênis masculino, o Nitto ATP Finals começou neste domingo em Londres reunindo a nata do esporte. Disputado pelos oito tenistas mais bem classificados no ranking, é também o único torneio jogado em sistema round robin, com dois grupos de quatro atletas que se enfrentam entre si para definir os semifinalistas. A disputa ocorre em simples e duplas.  

Neste ano, por conta de lesões, o espanhol Rafael Nadal e o argentino Juan Martin Del Potro desfalcam o evento. Eles serão substituídos pelo japonês Kei Nishikori e pelo americano John Isner, que se juntam a Novak Djokovic, Roger Federer, Alexander Zverev, Kevin Anderson, Marin Cilic e Dominic Thiem.

Como de costume, o Finals aproveita o formato diferenciado para homenagear ex-tenistas batizando os grupos com seus nomes. Nesta edição, os homenageados são tenistas que atuaram nos anos 90 e 2000. Assim, nas simples, os brasileiro Gustavo Kuerten e o australiano Lleyton Hewitt darão seus nomes às chaves. Guga venceu o evento em 2000, em Lisboa. No Grupo Guga Kuerten estão Djokovic, Alexander Zverev, Marin Cilic e John Isner. O Grupo Hewitt tem Federer, Dominic Thiem, Kevin Anderson e Kei Nishikori.

Djokovic e Federer farão um duelo à parte. O sérvio festeja a volta ao posto de número 1 do mundo após período turbulento, em que chegou a ocupar a posição 223 do ranking. Agora, pela quinta vez na carreira, terminará a temporada como número 1. Já o suíço pode atingir a incrível marca de 100 torneios conquistados na vida.

“Refletindo sobre tudo o que passei no ano passado, é uma conquista fenomenal (voltar ao topo do ranking). Estou feliz e orgulhoso. Espero fechar o ano com uma boa apresentação em Londres", disse Djokovic.

Além de voltar ao topo, Djoko também obteve outro triunfo este ano. Ao bater Federer na final em Cincinnati, ele se tornou o primeiro jogador a vencer todos os nove torneios de Masters 1000 do circuito, desde o início da série em 1990. O sérvio, de 31 anos, venceu dois Grand Slams em 2018 (Wimbledon e Aberto dos EUA) e desde o início de Wimbledon seu retrospecto tem incríveis 31 vitórias e apenas 2 derrotas.

Há também uma briga dentro do próprio Finals. Com cinco triunfos, Djokovic busca igualar Federer, que tem seis. O suíço fará sua 16ª aparição no torneio, com retrospecto de 55 vitórias e 13 derrotas e seis título (2003, 2004, 2006, 2007, 2010 e 2011). A última final de Federer no Finals foi em 2015, quando foi derrotado justamente por Djokovic.

"Sou fã desse torneio, gosto da atmosfera e do ambiente, mas é uma disputa dura pela qualidade dos jogadores", diz o suíço sobre o evento que anualmente costuma receber mais de 250 mil fãs na arena O2