VAR

VAR foi novidade nas quartas de final do Paulistão (Foto: Ana Canhedo/Lancepress!)

Guilherme Amaro e Thiago Ferri
28/03/2019
13:41
São Paulo (SP)

Apesar das reclamações de Palmeiras e Santos, que sentiram-se prejudicados pela arbitragem durante as quartas de final do Paulistão, a Federação Paulista de Futebol vê um "balanço positivo" do VAR nos primeiros mata-matas do campeonato.

- O balanço é positivo até esse momento. O VAR vem para trazer mais integridade e justiça para a competição. Não vai resolver todos os problemas, mas vai resolver todas as injustiças - disse o vice-presidente da FPF, Mauro Silva.

- A avaliação da comissão de arbitragem também é positiva - reforçou o presidente da Comissão de Arbitragem da FPF, Ednilson Corona.

O Palmeiras reclama de um toque de mão no início da jogada do gol do Novorizontino no empate por 1 a 1 na ida das quartas de final. Já o Santos alega que Rodrygo sofreu pênalti no confronto de volta com o Red Bull Brasil. As duas equipes acabaram avançando para a semifinal do Paulistão.

Outro fator que gerou dúvida aconteceu no duelo entre São Paulo e Ituano, quando o árbitro não conseguiu se comunicar com a cabine do VAR. Na visão da FPF, são situações que serão melhoradas ao longo dos jogos. O uso do árbitro de vídeo aconteceu pela primeira vez em uma edição do Paulistão.

- Temos que melhorar, houve uma falha de comunicação. Ele não deve ficar ali dizendo que não está recebendo. Tem o plano B, se desloca até o quarto árbitro que vai ter comunicação. Precisamos passar por isso para perceber - afirmou Ednilson Corona.

- Acontecem (questionamentos), porque é uma novidade. O que estamos vendo é que quem veio à FPF tem mais conhecimento e informação. Isso foi uma recomendação que esse plano de comunicação fosse continuado, que dirigentes viessem provar os equipamentos, disponibilizamos profissionais para darem palestras nos clubes. Quanto mais conhecimento, menos dúvidas tem. Como é novidade, é normal que tenham dúvidas. Quem se aproximou tem menos dúvidas, porque tem o conhecimento maior - afirmou Mauro Silva, que evitou falar que o Palmeiras tem mais dificuldades por estar rompido com a FPF desde a final do Paulistão de 2018.