Vasco x Fluminense - Confusão

Torcedores do Vasco tentam se abrigar durante confusão (Marcelo de Jesus/Raw Image)

Alexandre Araújo e Marcello Neves
17/02/2019
22:59
Rio de Janeiro (RJ)

Após a confusão que tomou conta dos arredores do Maracanã antes da final da Taça Guanabara, a disputa entre Vasco e Fluminense parece longe do fim. Dirigentes dos dois clubes concederam entrevista coletiva após o clássico deste domingo e mantiveram as posições defendidas antes da partida, mostrando que o capítulo de hoje foi apenas mais um de uma discussão que já vem desde 2013.

Para Alexandre Campello, presidente do Vasco, o Cruz-Maltino tinha o direito de escolher o lado da arquibancada em que a torcida ficaria por ser o mandante da partida e afirmou que a partida só seria realizada no Maracanã após confirmação de que o Vasco ocuparia o Setor Sul.


Em reunião na sede da Federação de Futebol do Rio de Janeiro (Ferj), Campello garantiu que o clube de São Januário assumiria o risco de ter de pagar uma possível multa pela abertura do estádio após uma liminar que decretava jogo com portões fechados.

- É da nossa conduta, que o Vasco sempre busca cumprir o que determina a lei. Tivemos esse procedimento em todo esse episódio. Buscamos sim reverter o quadro até o último momento, mas quando foi confirmado que não poderia fazer mais nada, acatamos a decisão judicial (de não ter torcida). Nós fomos chamados para uma reunião com o poder público, Polícia Militar e Procuradoria, e eles entendiam que o jogo deveria acontecer com portões abertos, com presença de torcida. Questionaram o Vasco sobre correr risco em arcar com a multa, e eu disse que sim - disse.

Já para Fernando Simone, gerente geral do Fluminense, o Tricolor tem um contrato em vigor com o Consórcio Maracanã que dá o direito à torcida ficar no Setor Sul independentemente de ser ou não o mandante do duelo.

- A cláusula é muito clara e não tem o que discutir quanto a isso. Se a cláusula não fosse clara, nós não teríamos ganho a liminar que ganhamos. Existe um contrato. E o contrato tem que ser respeitado. Ponto. Não tem mais o que discutir com relação a isso - afirmou.

Em 2013, o Fluminense assinou contrato com o consórcio e passou a utilizar o lado direito às cabines de rádio - o Flamengo já havia assinado para a utilização do Setor Norte, à esquerda. O Vasco, por sua vez, venceu o primeiro campeonato no Maracanã, o que lhe deu o direito de escolher o lado em que a torcida passaria a ocupar, e escolheu o direito.