Oscar Tabarez

Tabárez tem trabalho sólido no Uruguai (Foto: MARTIN BERNETTI / AFP)

Pool da Copa
16/07/2018
06:54
El Observador (Uruguai)

Existem definições que marcam um país. Os italianos jogam o "heróico". Os espanhóis são a expressão mais pura do futebol. Os alemães nunca desistem. Os brasileiros destilam qualidade e sempre terão um coelho na cartola. Os argentinos parecem destinados a contar sua história com base em um mágico: ontem foi Maradona, hoje é Messi. Os ingleses vivem na cabeça. Os Bálcãs brincam com sangue em suas bocas, diz Guardiola.

E os uruguaios? "Se estão vencendo sabem defender, se estão perdendo, atacam desesperadamente, se a partida fica súbita os dentes travam e deixam o tempo passar com sabedoria. Se jogam contra 200 mil pessoas vai desafiar todas elas. Isso é o que jogo para o uruguaio ", escreveu Jorge Valdano há um tempo atrás.

Mas além dos estilos, a Copa do Mundo levantou um debate sobre o processo de trabalho. Inglaterra, Alemanha, Bélgica, França, Uruguai têm projetos há muito organizados. Além do número de treinadores que passaram os últimos 12 anos, essas equipes apostaram em um sistema. Em termos gerais declaram ter reforçado as suas equipas jovens, a sua casa em um centro de alta performance com todas as comodidades, um jogo mais ou menos definitivo para todas as suas seleções, estilo e intenção de que a maior seleção é composta de jogadores vindos da base.

Do outro lado estão seleções como Argentina ou Brasil, que são baseadas no talento de seus gênios, que geralmente mostram seus rostos para o time mesmo quando as estruturas ao seu redor são caóticas.

Com esse esquema para a Argentina foi muito ruim: o caos no nível gerencial e no corpo técnico levou a uma classificação preocupante para as oitavas de final e uma eliminação sem mitigar contra a França.

A AFA é o maior exemplo de instabilidade: teve oito treinadores, zero títulos importantess e três títulos juvenis. Agora anunciou que Sampaoli não é mais o treinador, então ele vai começar sua busca pelo nono treinador em 12 anos.

Brasil em um caso especial: era de um lado para outro sem rima ou razão, nos últimos anos, quando, após a humilhação de 7-1 contra a Alemanha virou 180 ° do navio e trouxe Dunga, que radicalmente trocou o estilo de jogo. Mas depois do fracasso de um estilo "militar" o treinador, em junho de 2016, deu vaga a Tite, que trouxe ordem, um plano de jogo e convenceu os jogadores do que ele queria. Ele foi eliminado nas quartas de final, mas imbuído do espírito de trabalho e organização visto em várias equipes da Copa do Mundo, hoje quase ninguém pergunta que você tomar para Tite: em vez disso, a mídia e os fãs afirmam que ele deve seguir pelos próximos quatro anos, mas quando não cumpriu o objetivo de sempre do mais vitorioso da história: sair campeão.

As exceções

Todos esses argumentos parecem falar em favor dos processos. No entanto, existem também exemplos de obras de longa data falhas, como a Alemanha de Joachim Low na Rússia de 2018. Foi o melhor exemplo de trabalho organizado, tinha 12 anos no cargo, mas foi eliminado na primeira fase pela Coreia. Aqui eles acenderam uma fogueira na Plaza Independencia. Lá eles renovaram o contrato.

A mudança foi feita há algum tempo, depois de perder nas semifinais da Copa do Mundo de 2006. Eles pararam e ordenaram. Que fizeram? Eles implementaram um modelo que abrange todos os clubes e escolas de futebol. Então, do primeiro até o último, eles sabem do que se trata.

E do outro lado, a classificação da Croácia para a final foi um exemplo do oposto. Isso surpreendeu o mundo. E as comparações não demoraram muito. Ouviu-se que eles são um país pequeno. Que eles saíram de uma guerra. Mas isso, apesar de tudo, eles jogam futebol.

Os croatas mudaram de técnico pouco antes da Copa do Mundo. A primeira coisa que Zlatko Dalic fez foi encontrar Modric e Rakitic para aqueles que perguntavam qual era o caminho para reverter o mau momento. Algo que, se quiser, tem pontos de contato com o que a Argentina fez com o Messi. Qual foi a diferença? Croácia venceu, Argentina não. O que os croatas teriam dito se a equipe fosse eliminada? Provavelmente, o treinador não tinha personalidade, não podia consultar os jogadores, eles montavam a imagem. Como dizem na Argentina. As exceções existem no futebol porque o inesperado sempre joga. Mas os dados parecem mostrar que boas performances sem trabalho são geralmente uma exceção à regra.

E o Uruguai?

Que o Uruguai tenha um dos processos mais duradouros do futebol mundial, ninguém duvida: é o que teve seu treinador por mais tempo, desde que Tabárez assumiu o cargo em 2006. O Uruguai ganhou muito com esse esquema? Um título sênior, a Copa América 2011, e dois dos jovens: o Pan-americano 2015 e o Sul-Americano Sub-20 2017. Croácia ou Bélgica, o outro, nenhum.
Na mesma linha, a campeã França tinha apenas três treinadores nos últimos 12 anos e três títulos: Euro Sub-20, foi finalista da Euro-2016 e a Copa do Mundo de 2018.

Mas há outros números a serem medidos: por exemplo, 18 jogadores das categorias de base na lista da Rússia 2018. Aí são todos mais ou menos alinhado com entre 18 e 21 jogadores. A exceção é a Argentina, com apenas 13 das últimas gerações. Os resultados da Argentina estão à vista.

Conclusões

No futebol existem tantas verdades quanto são criadas. Todos os caminhos para a vitória são válidos. Eles podem gostar mais ou menos. O que é uma realidade é que a ordem paga. Da cabeça, chame-se de líderes, passando pela equipe técnica e encaminhando jogadores para o gramado.

Nas últimas horas o processo da palavra é discutido. Um processo não é um campeonato. Isso vai muito além. Adesão, pertencimento, respeito, transferência de valores, levam os jovens jogadores.

No futebol, você sempre pode jogar melhor. Depende dos jogadores, da técnica e da qualidade dos rivais. Que história ou como jogar pode ser mudada? Claro A questão é saber se os uruguaios concorda em jogar como Bélgica, em troca de não ter qualquer título e do mundo falam sobre quão bem eles jogaram como prêmio.

As seleções nos últimos 12 anos:

Alemanha

Técnicos: 2
Joachim Löw foi assistente de campo Jurgen Klinsmann e em 2006 sucedeu no cargo. Depois da Rússia 2018, eles renovaram o contrato.

Títulos: A partir de 2006 até à data atual, a equipe alemã venceu dois campeonatos. A Copa do Mundo de 2014 no Brasil e a Copa das CXonfederações 2017.

França

Técnicos: 3
Raymond Domench (2004 a 2010); Laurent Blanc (2010 a 2012) e Didier Deschamps campeão mundial foi coroado.

Títulos: A equipe francesa venceu o Europeu de Sub-20 e Mundial da Juventude 2010, na mesma categoria em 2013, final em que bateram o Uruguai. No domingo foi campeã mundial.

Itália

Técnicos: 8

Marcelo Lippi (2 vezes), Roberto Donadoni, Cesare Prandelli, Antoniol Conte, Giampiero Ventura, Luigi Di Biagio (em exercício) e Roberto Mancini.

Títulos: Durante anos a Itália não encontrou o caminho. Ganhou a Copa do Mundo de 2006 e, desde então, desfilou oito treinadores que dirigiram uma equipe acostumada a glória.

Argentina

Técnicos: 8
Jose Pekerman, Alfio Basile, Diego Armando Maradona, Sergio Batista, Alejandro Sabella, Gerardo Martino, Edgardo Bauza e Jorge Sampaoli

Títulos 4
Títulos: Nos juniores ganhou o Mundial Sub-2020 (2007), Jogos Olímpicos de 2008 e Sul-Americano Sub 17 (2013) e Sub 29 (2015). No profissional não ganha nada desde a Copa América de 1993

Brasil

Técnicos: 6
Carlos Alberto Parreira, Dunga, Mano Menezes, Scolari, Dunga e Tite a quem o contrato será renovado.

Títulos 13
Títulos: Copa América 2007, Confederações 2009 e 2013; Jogos Olímpiucos 2016; Copa do Mundo Sub-20 2011, Sul-Americano Sub 20 (2007,2009 e 2011) e Sub 17 (2007/09/11/15 e 17).

Uruguai

Técnicos: 1
Desde 2006, o trabalhou está com Oscar Tabárez. Em dois jogos foi Celso Otero quem dirigiu o time.

Títulos (3)
Títulos: Como Tabárez ocupa o cargo de técnico nacional, o Uruguai conquistou três títulos. A Copa América de 2011, os Jogos Pan-Americanos de 2015 e a Sul-Americano Sub 20 de 2017.

Bélgica

Técnicos: 6
René Vandereycken, Franky Vercauteren, Dick Advocaat, Georges Leekens, Marc Wilmots e Roberto Martínez.

Títulos 0

Croácia

Técnicos: 5
Zlatko Kranjcar, Slaven Bilic, Igor Stimac, Ante Cacic e Zlatko Dalic, que assumiram alguns meses antes da Copa do Mundo.
Campus

Títulos 0

Inglaterra

Técnicos: 6
Sven-Goran Eriksson, Steven Mc Claren, Stuart Pearce, Roy Hodgson, Sam Allardyce e Gareth Southgate.

Títulos (4)
Títulos: Inglaterra vem de um grande processo na base que quase se cristaliza na Rússia. O elenco inglês venceu o Europeu Sub 17 de 2010 e 2014; Mundial Sub 17 de 2017 e Mundial Sub 20 de 2017.

Espanha

Técnicos: 5
Os espanhóis tinham quatro técnicos: Luis Aragonés, Vicente Del Bosque, Julen Lopetegui e Fernando Hierro. Eles nomearam Luis Henrique.

Títulos
Títulos: De 2006 até hoje os espanhóis foram grandes dominadores do mundo conquistando a Eurocopa de 2008, a Copa do Mundo da África do Sul 2010 e a Eurocopa 2012.

* O Pool da Copa é a união de grandes veículos de comunicação do mundo para um esforço de troca de informações. O objetivo é manter seus leitores por dentro do que acontece com as seleções de outros países, porém, com uma visão local.

Montagem Lance!/El Observador
LANCE! e El Observador são parceiros no Pool da Copa