Thiago Salata
01/07/2018
13:51
Enviado especial a Moscou (RUS)

"Vocês nasceram para fazer um conto de fadas se tornar real", foi a frase escrita num bandeirão aberto pela torcida russa antes de a bola rolar, atrás de um dos gols do Lujniki, com a imagem de um atleta erguendo a taça. Pois Akinfeev, justamente o capitão, faz o sonho continuar. O goleiro defendeu os pênaltis de Koke e Aspas após empate em 1 a 1 entre Espanha e Rússia nos 120 minutos, fez o estádio explodir e colocou o time da casa nas quartas de final da Copa do Mundo. Os russos converteram todas suas penalidades e venceram por 4 a 3. Foi uma batalha, em dia de calor que terminou com chuva em Moscou, e atletas atirados no chão com cãibras. A Rússia venceu os espanhóis empurrada por quase 80 mil vozes que jogaram junto e se emocionaram do início ao fim. Um caldeirão pulsou na capital do país.

Eufóricos, os torcedores jamais irão esquecer da tarde que viveram no Lujniki. Agora, esperam o vencedor de Croácia e Dinamarca para seguirem o "conto".

Surpresas nas escalações
Hierro colocou Iniesta no banco pela primeira vez na Copa e fez mudanças que o principal jornal espanhol, Marca, tratou como "revolução". Carvajal e Thiago também saíram do time, que teve as entradas de Koke, Nacho e Asensio. Cherchesov também mudou a Rússia, deixando a sensação e artilheiro do time, Cheryshev, entre os reservas. O time da casa inovou com três zagueiros.

O gol cedo
A ideia de Cherchesov, com a linha de cinco que se formava com os três zagueiros e os dois laterais, era fechar-se para contra-atacar. Desde o início a Espanha impôs seu estilo de toque de bola, chegando a ter 75% de posse no primeiro tempo. Mas logo no início ficou claro que não seria fácil furar o bloqueio russo. Foi numa falta lateral cobrada por Asensio que Sergio Ramos disputou na área com o zagueiro Ignashevich: gol contra. Um gol que obrigaria a Rússia a avançar suas linhas e deixava a Espanha confortável. "Viva Espanha", música tradicional do país, tocou no som do estádio russo após Ramos festejar o gol ao estilo do companheiro de Real, Cristiano Ronaldo: "Eu estou aqui".

Toca, toca, toca...
Em certos momentos do primeiro tempo, o jogo ficou parecido com roda de bobinho. A Espanha tocava e a Rússia corria atrás da bola. A questão é que o time espanhol não conseguia finalizar - só o fez com perigo pouco antes do intervalo. Os anfitriões, incrivelmente, eram mais perigosos. Golovin quase fez o estádio explodir num chute que triscou a trave de De Gea.

A explosão
Piqué subiu com o braço aberto e desviou cabeçada de Dzyuba. O árbitro hesitou, mas marcou a penalidade. O mesmo grandalhão de 1,96m converteu com categoria para a explosão do Lujniki aos gritos de "Rússia, Rússia!". O barulho foi intenso no estádio a cada possibilidade de jogada perigosa, a cada desarme. Cherchesov mais de uma vez levantou-se do banco para pedir apoio, gesto repetido por Mario Fernandes.

O mesmo jogo
O meio espanhol, de Busquets, Koke e David Silva girava a bola para trabalhar com Isco, Asensio e Diego Costa, bem marcado e apagado. Chute a gol que é bom... O jogo do primeiro tempo se repetiu. O russo criado na Espanha, Cheryshev (três gols na Copa), entrou para levantar a torcida. Iniesta substituiu David Silva aos 20 da segunda etapa. E dá-lhe 75% de posse à Espanha, que só fez Akinfeev trabalhar a cinco minutos do fim do tempo regulamentar. O calor de Moscou fez os times desabarem no gramado antes da prorrogação, na qual só teve jogo em um campo: o de ataque do time espanhol, que finalmente colocou o goleiro russo para trabalhar de verdade. A Rússia cansou e nem a quarta substituição, amenizou o desgaste. Mas segurou-se até os pênaltis.

FICHA TÉCNICA
ESPANHA 1 (3) X (4) 1 RÚSSIA

Local: Estádio Lujniki, Moscou (RUS)
Data-Hora: 1/7/2018 - 11h
Árbitro: Bjorn Kuipers (Fifa/HOL)
Auxiliares: Sander Van Roekel (Fifa/HOL) e Erwin Zeinstra (Fifa/HOL)
Público: 78.011 presentes
Cartões amarelos: Piqué (ESP); Kutepov e Zobnin (RUS)
Cartões vermelhos: -
Gols: Ignashevich (contra) - 12'/1ºT (1-0), Dzyuba - 40'/1ºT (1-1)
Pênaltis
Espanha: Iniesta (gol), Piqué (gol), Koke (perdeu), Sergio Ramos (gol), Aspas (perdeu)
Rússia: Smolov (gol), Ignashevich (gol), Golovin (gol), Cheryshev (gol)

ESPANHA: De Gea; Nacho (Carvajal - 24'/2ºT), Piqué, Sergio Ramos e Jordi Alba; Busquets, Koke, David Silva (Iniesta - 20'/2ºT), Isco e Asensio (Rodrigo - 13'/1ºP); Diego Costa (Aspas - 34'/2ºT). Técnico: Hierro.

RÚSSIA: Akinfeev; Mario Fernandes, Kutepov, Serguey Ignashevich, Kudriashov e Zhirkov (Granat - intervalo); Samedov (Cheryshev - 16'/2ºT), Zobnin e Kuziaev (Erokhin - 6'/1ºP); Golovin e Dzyuba (Smolov - 18'/2ºT). Técnico: Stanislav Cherchesov.

Bandeira da torcida da Rússia no Lujniki
Bandeira da torcida russo: sonho com a taça (foto: Thiago Salata)