Cruzeiro x Internacional

Inter e Cruzeiro travaram um duelo de muita força e poucas chances reais de gol (Ricardo Duarte/Internacional)

Valinor Conteúdo
07/08/2019
23:29
Belo Horizonte

Cruzeiro e Internacional fizeram um jogo de muita força física e tática, mas com pouca ousadia no futebol. Porém, mais eficiente, o Colorado saiu de Belo Horizonte com a vitória por 1 a 0, gol de Edenílson, ficando com boa vantagem no jogo de ida das semifinais da Copa do Brasil. A partida de volta entre as duas equipes será no dia 4 de setembro, quarta-feira, em Porto Alegre, no Beira Rio.

Mais uma vez, a equipe de Mano Menezes não teve inspiração e força ofensiva, chegando a mais uma marca negativa: completou oito jogos sem marcar um gol, aumentando a crise que o time vive dentro das quatro linhas. Para conseguir chegar à final da Copa da Brasil, a Raposa terá de vencer o time gaúcho por dois gols de diferença em Porto Alegre. Se superar o Inter por um de vantagem, a decisão da vaga na grande final será na disputa de pênaltis.

Duelo defensivo

Tanto Mano Menezes, quanto Odair Hellmann, tem predileção por sistemas táticos com foco na defesa. O início de jogo demonstrou muito o perfil dos dois treinadores com as duas defesas superando os ataques com facilidade, já que havia poucas tentativas de jogadas mais ousadas dos dois lados. À medida que o tempo foi passando, a necessidade do resultado por parte do Cruzeiro falou mais alto, iniciando uma pressão maior sobre o Colorado.

Sassá neles!

A surpresa na escalação de Sassá entre os 11 titulares do Cruzeiro surtiu efeito. O ataque celeste ficou mais móvel, pois o centroavante dava mais opções de passe, movimentando-se mais. Por isso, o entendimento com Robinho e Pedro Rocha geraram as melhores chances de gol da Raposa. Mano acertou em cheio ao tirar Fred do comando de ataque, mas errou feio ao tirar o camisa 99 no segundo tempo para a entrada do experiente centroavante.

Thiago Neves se arrastando

Decisivo em diversos jogos, TN10 não vive bom momento no time. Está lento, pouco efetivo na troca rápida de passes e pouco ajudou a equipe na fase inicial de jogo. Nitidamente está fora do seu melhor ritmo de jogo. No segundo tempo, teve alguns lampejos, mas nada que mudasse o nível da sua atuação.

Necessidade de atacar

O segundo tempo do Cruzeiro foi mais intenso, pois terminar o jogo empatado em BH não seria bom negócio. Porém, superar a defesa do Colorado já estava complicado com Sassá dando trabalho, com a sua saída, o time ficou mais lento onde mais precisava: na linha de frente. Todavia, o esforço físico não foi traduzido em bola na rede. Uma frustração para a China Azul presente no estádio.

Fábio, Fábio e Fábio!

O torcedor do Cruzeiro agradeceu a existência do camisa 1 na meta celeste. Ele evitou dois gols certos do Inter, com Wellington Silva e Patrick, realizando duas defesas salvadoras.

Nem Fábio faz milagre- Inter na frente e gol da vitória

Em uma cobrança de falta quase perfeita de Paolo Guerrero, Fábio conseguiu fazer a defesa, mas a zaga não acompanhou o rebote e Edenílson empurrou para as redes celestes, deixando o torcedor cruzeirense ainda mais chateado com o time, que já superou os 800 minutos sem marcar um gol sequer.

Agenda dos clubes

O Cruzeiro volta a campo no domingo(11), às 16h, diante do Avaí, em Florianópolis. Já o Colorado recebe o Corinthians, também no domingo, só que às 11h, no Estádio Beira Rio.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 0 x 1 INTERNACIONAL

​​Estádio: Mineirão- Belo Horizonte-(MG)
Data-hora: 7 de agosto de 2019, às 21h30
Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira(SP)
Assistentes: Marcelo Carvalho Van Gasse e Danilo Ricardo Simon Manis (SP)
Árbitro de vídeo: Braulio da Silva Machado (SC)
Público e renda: 32.886 pagantes/ Renda R$ 905.798,00
Cartões Amarelos: Dedé (CRU) e Rafael Sóbis (INT)
Cartões Vermelhos: não houve

Gol: Edenílson, 31'/2ºT (0-1)

CRUZEIRO: Fábio; Orejuela, Dedé, Léo e Dodô; Henrique e Ariel Cabral (Maurício, 36'/2ºT); Robinho (Marquinhos Gabriel, 27'/2°T), Thiago Neves; Sassá (Fred, 22'/2ºT) e Pedro Rocha. Técnico: Mano Menezes.

INTERNACIONAL: Marcelo Lomba; Bruno, Rodrigo Moledo, Víctor Cuesta e Uendel; Rodrigo Lindoso, Edenilson (Nonato, 36'/2ºT) e Patrick; Nico López (Wellington Silva, 14'/2°T), Rafael Sóbis (Sarrafiore, 39'/2ºT) e Paolo Guerrero. Técnico: Odair Hellmann.