Fotos - Da Barra a Deodoro, veja como estão as arenas da Olimpíada Rio-2016

Centro de Tiro é uma das instalações da Olimpíada do Rio de Janeiro (Foto: Divulgação/Brasil2016.gob.br)

Jonas Moura
04/07/2016
12:55
Rio de Janeiro (RJ)

Três vigilantes e um bombeiro civil foram presos em flagrante na última quarta-feira por tentativa de furto de nove notebooks no Centro Nacional de Tiro Esportivo do Complexo de Deodoro, palco da modalidade nos Jogos Olímpicos Rio-2016. A Polícia Militar recuperou todo o equipamento.

Os seguranças detidos são funcionários de uma empresa terceirizada, contratada para vigiar a arena, que está sob responsabilidade do Comitê Rio-2016 para a instalação de estruturas temporárias e acabamentos no estande das finais. Após sentir falta dos objetos, uma pessoa acionou os policiais, que chegaram a tempo de deter os quatro indivíduos. 

São eles Luis Cláudio Esteves das Silva, de 33 anos, Marcello Rodrigues Medeiros da Silva, de 21 anos, Wallace Anderson Oliveira de Souza, de 23 anos, e Adonis Raphael Feld, de 27 anos. Todos foram autuados por furto qualificado e estão presos. O caso foi registrado na 33ª DP, em Realengo.

Seis dos equipamentos foram encontrados em mochilas dos detidos. O grupo informou que três notebooks estavam em suas residências, na Baixada Fluminense. Os policiais se dirigiram aos locais indicados e recuperaram o material que faltava.

Procurado pelo LANCE!, o Comitê Rio-2016 afirmou que se trata de um caso de polícia de dimensão pequena. Destacou ainda que a Força Nacional de segurança começa a operar em todas as instalações esportivas a partir desta terça-feira, quando faltará exatamente um mês para a cerimônia de abertura.

A reportagem questionou a entidade sobre quem é a empresa responsável pelo serviço no Centro de Tiro e quais providências seriam tomadas após o incidente, mas não obteve resposta para esta pergunta.

O caso aconteceu dois dias antes e as emissoras de televisão alemãs ARD e ZDF serem roubadas na cidade. Na ocasião, uma carreta com dois contêineres sem escolta foi abordada por bandidos na Avenida Brasil, quando se dirigia ao Parque Olímpico da Barra, onde ficarão seus estúdios de transmissão.

Todos os equipamentos das redes alemãs, avaliados em R$ 1,5 milhão, foram recuperados horas depois em um galpão no município de Magé (RJ).