Rafael Valesi
12/08/2016
23:01
Rio de Janeiro (RJ)

A última grande esperança do Brasil de conquistar uma medalha na natação nos Jogos Olímpicos Rio-2016 não se concretizou na noite desta sexta-feira no Estádio Aquático. O brasileiro Bruno Fratus, cotado para conseguir um lugar no pódio nos 50m livre, não correspondeu às expectativas e terminou na sexta posição na final da prova.

O carioca de 27 anos chegou ao Rio de Janeiro em alta. Sua principal credencial era a medalha de bronze conquistada no Campeonato Mundial do ano passado, disputado em Kazan, na Rússia. Na ocasião, foi superado apenas pelo francês Florent Manaudou e pelo americano Nathan Adrian.

Também contava a seu favor o fato de ter "raspado" na medalha na Olimpíada de Londres, há quatro anos, quando terminou na quarta colocação a apenas dois centésimos do bronze - amealhado por seu compatriota Cesar Cielo, que não se classificou para a Rio-2016. Na ocasião, Fratus ainda era considerado uma joia a ser lapidada, com boas chances de "explodir" nos Jogos Rio-2016.

Mas, na natação, o cenário muda com a mesma velocidade com que os atletas nadam os 50m livre. Nas semifinais na Rio-2016, Fratus passou para a final com a sexta marca (21s71). Manaudou (21s32) e Adrian (21s47) ficaram entre os primeiros, ao lado do também americano Anthony Ervin e do ucraniano Andrii Govorov, empatados com o tempo de 21s46, em segundo lugar. A ameaça ao pódio do brasileiro começava a se desenhar ali.

Florent Manaudou e Nathan Adrian subiram no pódio, mas foram superados por um atleta que, embora já consagrado nas piscinas, não deixou de ser uma surpresa. Anthony Ervin levou o ouro aos 35 anos, e sagrou-se bicampeão olímpico nos 50m livre. Detalhe: sua primeira vitória foi há 16 anos, nos Jogos de Sydney-2000. Ervin fez o tempo de 21s40. Manaudou, campeão em Londres-2012, foi prata com 21s41. E Adrian levou o bronze com 21s49. Fratus marcou 21s79. 

- A prova não foi forte e meu desempenho foi bem fraco. Minha natação não está do jeito que eu queria que estivesse. Não está como foi em 2014. É isso basicamente - explicou o brasileiro depois de sair da piscina. 

Com o fracasso de Fratus em chegar no pódio, o Brasil tem grandes chances de encerrar sua participação sem medalhas pela segunda vez nas últimas sete Olimpíadas. Desde os Jogos de Barcelona-1992, o país conquistou nove láureas. O único tropeço no período foi em Atenas (GRE), em 2004.

A última chance de subir no pódio será neste sábado, na final masculina do revezamento 4x100m medley, e também na decisão dos 50m livre, com Etiene Medeiros.  As provas começarão às 22h (de Brasília).