Alecsandro

Alecsandro durante treino do Palmeiras em Itu (Foto: Cesar Greco/Fotoarena)

Thiago Ferri
10/01/2016
10:00
São Paulo (SP)

Alecsandro passou 2015 de forma bem apagada. Sem poder atuar na Copa do Brasil pelo Palmeiras, o atacante só entrou em campo no Brasileirão e pouco fez: foram 18 jogos e dois gols. Sondado por Fluminense e Botafogo no fim de ano, o centroavante quis ficar no Verdão e pode ser recompensado com a possível saída de Cristaldo.

O argentino negocia com o Rubin Kazan (RUS), que está disposto a pagar um pouco mais do que R$ 12 milhões por ele. Tanto o Verdão quanto o atacante já tiveram tratativas informais com os russos e aguardam a oficialização da proposta para definir a transferência. Churry é o principal rival de Alecsandro na briga por uma vaga quando Lucas Barrios está fora.


Durante a campanha do Verdão na Copa do Brasil, o atacante só teve participação na torcida e nos bastidores, já que o próprio jogador diz ter aconselhado Marcelo Oliveira a colocar Fernando Prass para cobrar a quinta penalidade na decisão contra o Santos. Agora, a expectativa é de que Alecgol seja utilizado com mais frequência.

Em seu currículo, o atacante já tem dois títulos de Libertadores – pelo Inter, em 2010, e pelo Atlético-MG, em 2013 – e disse ao presidente Paulo Nobre, quando chegou, que sonhava com o tri. Ele terá a chance de brigar por isto no Verdão.

– Eu falei (ao Nobre): vim para ganhar uma Libertadores e preciso de um Mundial, que eu não tenho. Fui duas vezes para o Mundial e não ganhei. Aí ele disse que eu ia matar ele de infarto (risos) – brincou o atacante, em entrevista à TV Record.

Ano novo, vida nova?