Amauri José dos Santos

Amauri foi o campeão no masculino (Foto: Guilherme Taboada)

RADAR/LANCE!
24/05/2016
15:12
Rio de Janeiro (RJ)

A comunidade do Vidigal, na Zona Sul do Rio de Janeiro, abriu novamente suas portas para o Projeto De Braços Abertos neste domingo. A corrida marcou o início do evento em 2016 e, mais uma vez, mobilizou toda a região, levando às ruas aproximadamente 1500 participantes. 

Parceiros de longa data do De Braços Abertos, José Mariano Beltrame, Secretário de Segurança do Rio de Janeiro, e William René Alonso, Chefe do Comando de Operações Especiais (COE), fizeram questão de comparecer e disputar os 6km de percurso, programado para iniciar dentro das vielas do Vidigal, passar pela Avenida Niemeyer e ter seu fim também na comunidade.

Em clima para lá de descontraído, os inscritos largaram sob forte calor, mas em nenhum momento deixaram que isso atrapalhasse suas performances. Misturados entre atletas da comunidade e corredores oriundos de outros locais do Rio de Janeiro, ele brigaram passada a passada pelas melhores colocações da prova. No fim, o melhor entre todos os participantes foi Amauri José do Santos, com o tempo de 27 minutos e 29 segundos. 

Ex-profissional do atletismo, o carioca, que reside em São Cristovão, Zona Norte, não competia no Braços Abertos há três anos. Segundo lugar no geral, Misael Santos, morador do Vidigal, completou a prova em 28 minutos e 12 segundos e faturou o título da comunidade. De quebra, levou para casa o cheque que lhe renderá um ano de materiais esportivos da Mizuno.

Entre as mulheres, Marta Pinheiro ficou na primeira colocação entre as mulheres que não pertenciam à comunidade. Com o tempo de 37 minutos e 51 segundos, ela terminou a prova na segunda colocação no geral feminino. Grande campeã do dia, Beatriz Fernandes surpreendeu ao chegar no primeiro lugar entre as meninas em sua participação de estreia no Projeto de Braços Abertos. Criada no Vidigal, ela puxou bastante o ritmo e encerrou sua participação com o 36 minutos e 49 segundos.

O resultado também lhe rendeu um ano de equipamentos esportivos da Mizuno, por intermédio do Adote um Atleta.

- Ainda não estou acreditando que cheguei na primeira colocação. Nunca havia disputado o De Braços Abertos, mas meus amigos me colocaram muita pilha e eu resolvi correr. Apesar de ser moradora, não conhecia todo o percurso, que foi muito puxado. Gostei bastante de participar da corrida e, com certeza, estarei disputando mais vezes. Comecei a correr há sete anos e isso transformou completamente a minha vida. Procuro sempre estar treinando firme para conquistar bons resultados. Costumo dizer que hoje em dia vivo em função da corrida e da minha filha - comentou a campeã do Vidigal.