Juan

Juan correu em volta do gramado do CT do Atuba e renova esperança de jogar o Atletiba. (Divulgação/Coritiba)

Guilherme Moreira
04/05/2016
08:45
Curitiba (PR)

Além de contar com a união entre elenco e torcida, o Coritiba espera ter o retorno do experiente Juan, 34 anos, para a segunda final do Campeonato Paranaense no domingo, às 16h, no Couto Pereira. O jogador voltou a treinar na terça-feira e tem chance de ficar à disposição.

Um dos atletas mais importantes na temporada, o meio-campista ficou de fora da derrota por 3 a 0 para o Atlético-PR, no último domingo, na Arena da Baixada, pelo jogo de ida da final do Estadual. Sua ausência foi muito sentida, já que o meio-campo alviverde acabou dominado pelo rival e ninguém conseguiu criar jogadas claras, além de segurar a bola no setor ofensivo.

- Ficamos distante do Kleber e não foi isso que a gente trabalhou. Passava do meio de campo e ficava com um ou dois jogadores apenas. Não funcionava. A experiência falaria mais alto. Perdemos jogadores que estavam em um momento espetacular com a criação de Dudu e Juan - lamentou Gilson Kleina, ainda na coletiva pós-jogo.

Com seis gols, Juan só perde na artilharia para o atacante Kleber Gladiador, com 13. Já nas assistências, o antigo lateral-esquerdo é o líder disparado até aqui, com cinco passes diretos para gol. 

- Tem uma certa dependência dele sim. É um jogador que faz muita falta e, se voltar no domingo, vai nos ajudar bastante dentro de campo - afirmou o zagueiro Juninho.

Com uma lesão muscular na coxa, Juan apareceu no gramado do CT do Atuba e correu em volta do campo. O meio-campista, entre os desfalques, já era o que tinha mais chance de retornar e a possibilidade aumenta a cada dia.

Quem também fez o mesmo trabalho foi o lateral-direito Ceará, que ficou correndo ao redor do local e aparenta estar recuperado de um desconforto muscular. Entretanto, o companheiro de criação de Juan, o jovem Dudu, está distante da decisão. Com uma entorse no tornozelo esquerdo, o meia tem chances mínimas de ficar apto a atuar e segue em tratamento.

Para conquistar o título, que não vem desde 2013, o Coritiba precisa vencer por quatro gols de diferença - por três, o duelo vai para as penalidades. O Atlético-PR joga pelo empate, qualquer triunfo ou revés por até dois gols de diferença.

- Tivemos espírito de decisão (na Arena), mas estivemos desligados em alguns momentos. Não conseguimos fazer o placar e agora é melhorar ainda mais essa gana de decisão para reverter. Temos que ter cabeça, sem correria e evitar de levar gol. Mas precisamos marcar ainda no primeiro tempo para buscar o resultado - comentou Juninho.