Claudinei Oliveira

Técnico paranista admitiu que precisa de tempo para melhorar alguns fundamentos do sistema. (Giuliano Gomes/PR PRESS)

Guilherme Moreira
01/06/2016
08:40
Curitiba (PR)

Principal crítica neste início de Série B, o recuso demasiado do Paraná em partidas "controladas" vem tirando o sono do torcedor. Diante do Londrina, no empate por 1 a 1, a torcida e até um dirigente reclamaram da postura paranista.

O técnico Claudinei Oliveira, depois da igualdade, admitiu que sentiu um gosto amargo pelo resultado, pois viu que o time poderia sair do interior do Estado com os três pontos. Entretanto, o treinador ressaltou que a equipe atuou da mesma forma durante os 90 minutos.

O clube paranaense atuou com duas linhas de quatro, focando na transição e contra-ataque, no tradicional 4-4-2. Mesmo sem contar com cinco titulares - três antes da partida (Jean, Válber e Nadson) e dois que saíram com sete minutos da primeira etapa (Marcos e Rafael Carioca) -, o Tricolor criou oportunidades e não soube matar o duelo depois de sofrer o gol de empate no segundo tempo.

- Quando tivermos tempos para trabalhar, vamos focar e melhorar a transição de bola e a parte da finalização. Acredito que vamos evoluir com isso e, assim, conseguir ganhar mais jogos. Entramos e terminamos jogando da mesma forma. Não recuamos, ficamos com as duas linhas de quatro, e os dois atacantes. Essa é a nossa receita, a maneira de jogar. É a melhor forma hoje que temos para jogar - explicou o comandante paranista. 

A explicação, entretanto, não foi compartilhada pelo gerente de futebol, Durval Lara Ribeiro. O dirigente, em entrevista à Rádio Transamérica depois do jogo, criticou a postura da equipe diante do Tubarão.

- O Paraná não pode recuar desse jeito. Tem que ter postura de time grande. Não é desprezar o Londrina, mas o Paraná é um time de melhor qualidade. O nível da Série B está baixo na minha opinião. Nós temos peças que outros times não têm. Hoje (ontem) nós poderíamos ter saído tranquilamente com a
vitória - comentou.

Nos dois jogos anteriores, diante do Sampaio Corrêa e Oeste, o Tricolor também sofreu com o recuo. Enquanto no primeiro duelo, o time saiu à frente do placar e levou o empate depois, no segundo confronto, a equipe buscou a virada e levou pressão nos dez minutos finais. Entretanto, a vitória veio nas duas ocasiões - diferente da partida no Estádio do Café.

- Tem várias formas de tentar ganhar o jogo. Nossa proposta é jogar bem agrupado em 35 metros para sair em velocidade nos contra-ataques. Quando o Diego Simeone faz isso na Europa, todo mundo o chama de estrategista - argumentou Oliveira.

O Paraná volta a campo nesta sexta-feira, às 20h30, contra o Vila Nova-MG, no Serra Dourada, pela sexta rodada da Série B. O clube paranaense tem oito pontos e ocupa a sétima colocação.