Ribamar - Botafogo

Ribamar deixa o Botafogo para tentar o sucesso no futebol europeu usando o Apollon do Chipre como o primeiro degrau   (Foto: Divulgação/Vitor Silva/SSPress/)

CARLOS ALBERTO VIEIRA
04/07/2016
14:20
Rio de Janeiro (RJ)

O atacante Ribamar, revelação do Carioca, perderá muita visibilidade no Apollon, clube com o qual falta apenas assinar o contrato e ser apresentado. Afinal, irá para um país sem tradição no futebol, que nunca disputou uma Copa do Mundo ou fase final de Euro e que apenas uma vez um de seus clubes (o Apoel) chegou nas quartas de final de uma Liga dos Campeões. Para complicar, não jogará num dos grandes de Chipre (que são Apoel, Omionia e Anorthosis). Isso sem contar que o idioma por lá é o grego, que ainda tem um alfabeto diferente e absolutamente incompreensível para brasileiros.

Mas haverá algumas vantagens, além de um salário mais robusto do que o garoto ganhava no Botafogo. O Apollon é bem organizado, seu estádio Tsirio com capacidade para 15 mil e que fica na cidade de Limassol, é arrumadinho; o time já ganhou o Campeonato Nacional três vezes (a última em 2005-2006); é o atual campeão da Copa do Chipre; e espera buscar o caneco nacional neste ano. E para facilitar a comunicação nos primeiros dias, o elenco conta com jogadores brasileiros e portugueses, incluindo aí o treinador Pedro Emanuel, o que garante que ele entenderá tudo o que o "mister" vai querer dele em campo.

Os novos companheiros brazucas de Ribamar são desconhecidos para o torcedor por aqui. Tem o Dudu Paraíba, que defendeu quatro anos o Vitória da Bahia, passou os últimos anos perambulando pelo México, Bulgária e Polônia. Assim como Ribamar, Dudu foi recém-contratado pelo clube.

Há Alex da Silva (ex-Marília e que defendeu o Metalurh Donetsk da Ucrânia), que é o camisa 10 e ídolo da torcida. Ribamar quase conte com outros dois "parceiros",  Elisio (anos em pequenos de Portugal, Penafiel e Moreirense) e Thuram, que tem apelido de astro francês, mas jogou mesmo na base do Atlético-PR. Os dois defenderam o Apollon na temporada passada, mas foram dispensados.

Da tropa portuguesa há o goleiro Bruno, o lateral Nuno Lopes, o zagueiro Jaime Simões e o atacante João Paulo.  Mas o cara mais conhecido é mesmo o seu treinador. Pedro Emanuel defendeu o Boavista no fim dos anos 90 e início dos anos 2000. Lá foi campeão português e acabou contratado pelo Porto, clube pelo qual ganhou seis Campeonatos Portugueses, além da Liga dos Campeões de 2003/04 e um Mundial naquele time que tinha Deco, Ricardo Carvalho, Vitor Baía, Carlos Alberto (hoje no Figueirense) e era treinado por José Mourinho.

Pedro Emanuel pendurou as chuteiras, virou treinador da base portista, depois fez bom trabalho no Arouca e deixou este clube em 2015, sendo contratado pelo Apollon.  Levou o time ao título da Copa do Chipre e a um lugar na terceira fase eliminatória na Liga Europa nesta temporada.

Emanuel é considerado um técnico de futuro e diz que está se preparando para assumir o time A do Porto. Caso Ribamar caia nas graças do treinador que sonha alto, quem sabe ele não consiga construir uma carreira de sucesso na Europa começando de baixo (bem de baixo) como Deco, Pepe e outros.

RAIO-X do Apollon Limassol FC
País: Chipre
Cidade: Limassol
Fundação: 14/4/1954
Títulos: 3 Campeonatos Cipriotas (1990/91, 93/94, 2005/06) e 8 Copas do Chipre (1966, 67, 1986, 1992, 2001, 2010, 2013 e 2016)
Jogador mais conhecido a defender o clube: Maurício Pinilla (CHILE)