Neymar Brasil x Catar

Neymar torceu o tornozelo durante amistoso contra o Catar e foi cortado da Seleção (Foto:Reprodução)

Thiago Ferri
12/06/2019
08:00
São Paulo (SP)

Cortado da Copa América por conta de um entorse no tornozelo direito, Neymar segue em contato direto com os jogadores da Seleção Brasileira. Filipe Luís contou que o camisa 10 ainda participa bastante do grupo que o elenco montou no WhatsApp, um aplicativo de mensagens no celular.

- A gente se fala diariamente. O Neymar está no nosso grupo no WhatsApp, falamos a toda hora por vários motivos. Ele é um cara sempre presente no grupo, um dos nossos líderes e que tem peso imenso no nosso vestiário. Importante que ele transmita a imagem de que está bem. Ele não está mais com a gente, mas precisa nos dar força - explicou o lateral-esquerdo.

Neymar torceu o tornozelo durante o amistoso contra o Catar, em Brasília (DF), e foi substituído por Willian na lista de convocados. De acordo com o Paris Saint-Germain (FRA), o atacante terá de ficar quatro semanas em tratamento, mas não precisará passar por cirurgia.

Ao mesmo tempo em que está sob cuidados médicos, o camisa 10 se defende na Justiça de uma acusação de estupro, feita por Najila Trindade. Por divulgar fotos íntimas da mulher com quem se relacionou em Paris, o jogador também responde por crime virtual. 

Diante de todo este turbilhão, sua última participação com o grupo da Seleção foi alvo de críticas. Neymar se machucou no auge da exposição do que ocorreu com Najila, e seu pai foi ao vestiário do Brasil no Mané Garrincha logo quando ele deixou o gramado. A atitude, detonada publicamente, foi justificada por Tite e recebeu o apoio de Filipe Luís.

- Quando eu quebrei a perna em 2010, a primeira pessoa que eu vi foi a minha esposa. Naquela hora eu só queria estar com ela. Sem sua presença talvez fosse ainda pior. Com certeza diante de tudo que está acontecendo, ele só queria o abraço do pai, da mãe, da irmã, para apoiar. O vestiário é sagrado e a família faz parte do grupo. Ali era um momento único e (liberar Neymar pai no vestiário) foi talvez a melhor decisão que já vi na minha vida - encerrou Filipe.