Caf

Cafu participou de evento na manhã deste sábado, no Parque Villa-Lobos, em São Paulo (Foto: Divulgação)

Ana Canhedo
20/04/2019
14:27
São Paulo (SP)

Campeão do mundo com a Seleção Brasileira em 1994 e em 2002, Cafu tem certeza que o Brasil levantará a taça da Copa América em 2019. O ex-jogador participou de um evento na manhã deste sábado, no Parque Villa-Lobos, em São Paulo, e não titubeou ao assegurar que a competição em solo brasileiro é o momento certo para os comandados de Tite darem a volta por cima, após o fracasso na Copa do Mundo da Rússia, no ano passado. 

- O Brasil vai ganhar a Copa América. Eu tenho certeza disso. Não é só favorito, é mais do que isso. Vamos jogar em casa, com o apoio da nossa torcida, estamos organizando uma das melhores Copas já vistas, com duas seleções convidadas, Japão e Catar, e o Brasil vem em ascensão. Depois da Copa do Mundo, um dos torneios mais esperados é a Copa América. Chance do Brasil de reverter (o cenário negativo), dar a volta por cima. O povo brasileiro precisa torcer pela Seleção - disse o ex-jogador, ao LANCE!

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio também participou de evento (Foto: Divulgação)

Cafu esteve no parque toda a manhã, tempo em que entrou em quadra para jogar ao lado de Paulo Sérgio, também campeão do mundo com o Brasil, em 1994. O evento realizado pela marca de batatas fritas Lay's premiou um garoto com uma viagem para acompanhar um jogo da Champions League na próxima temporada. Ainda em entrevista exclusiva à reportagem, Cafu deu pitacos sobre o árbitro de vídeo, em uma longa crítica. 

O ídolo brasileiro espera que as decisões sejam tomadas de maneira mais rápida e eficaz dentro de campo e deu uma ideia para evitar a insegurança dos juízes ao marcar as infrações mesmo com o vídeo: a presença de um ex-jogador na cabine durante as partidas. O próprio Cafu toparia participar de uma eventual mudança no funcionamento do árbitro de vídeo. 

- Eu acho que é muita demora. Tinha que ser mais rápido. Especialistas dizem que o juiz tem de ter o tempo para tomar a decisão certa, mas antigamente ele não tinha o VAR e tomava decisão muito mais rápido do que com o VAR. Em algumas ocasiões, ajudou? Ajudou! Mas em outras está muito lento, indeciso. Eu posso ter uma dúvida dentro de campo, mas quando me chamam no ponto eu não tenho mais de ter dúvida. O ponto é para tirar minhas dúvidas. Muita demora, insegurança. Todo lance agora o juiz não toma mais a decisão de imediado, fica esperando o VAR para depois decidir. Antigamente, não tinha isso. Decisão era tomada rápido. Errava? Errava! Mas acertava muito mais - disse, e seguiu: 

- O que eu não posso admitir é erro mesmo vendo o VAR. Precisa ser mais objetivo. O árbitro precisa assumir a responsabilidade. Está se tornando uma muleta do árbitro e é isso que não queremos. Às vezes, precisa do VAR, mas em outras não. Uma ideia que eles poderiam fazer é de colocar um ex-atleta na cabine. Porque o ex-atleta vai ter o feeling de saber se foi falta ou não, se tocou na camisa e você faz um gesto exagerado e por aí vai. O ex-jogador vai ter essa percepção e falar para o jogo seguir. Se eu tivesse tempo, com certeza eu toparia. Tudo que for em benefício e for para ajudar o futebol brasileiro, eu quero participar. Desde que tenhamos voz ativa.