Cabelo rosa: Lance! dá detalhes da cartilha da CBF que gerou polêmica

Yan Couto revelou que a entidade pediu para não jogar com cabelo colorido

53253567617_937582541e_k-aspect-ratio-512-320
Yan Couto, lateral da Seleção Brasileira, em partida contra o Uruguai nas eliminatórias da Copa do Mundo. (Foto: Vitor Silva/CBF)

Escrito por

Na última semana, o lateral da Seleção Brasileira, Yan Couto, revelou que se apresentou à concentração para os amistosos antes da Copa América atendendo um pedido da CBF: tirar a tintura rosa do cabelo. O Lance! detalhou algumas recomendações da cartilha.

➡️ Siga o Lance! no WhatsApp e acompanhe em tempo real as principais notícias do esporte

Segundo apuração do Lance!, não foi dada nenhuma ordem ao Yan para que ele tirasse o cabelo rosa. A CBF tem uma cartilha com algumas recomendações para todos os jogadores, que incluem questões de comportamento no extracampo. Confira algumas:

  • Atenção para assuntos polêmicos nas redes sociais.
  • Atenção especial para racismo, assédio e apostas.
  • Restrição sobre telefones não existe.
  • Telefone no silencioso durante o jantar
  • Telefone no silencioso no vestiário
  • Não filmar situações internas
  • Cumprimentar a torcida que estiver presente antes e depois do jogo

– Foi um pedido, basicamente. Falaram que o rosa é meio 'vacilão' assim. Eu não acho, mas vou respeitar, né. Me pediram, vou fazer - declarou o lateral em entrevista ao “Uol”.

Em sua primeira convocação, em outubro de 2023, ainda com Fernando Diniz como técnico, Yan Couto chegou a jogar com o cabelo rosa pela Seleção Brasileira nas eliminatórias contra a Venezuela e o Uruguai. 

Uruguai x Brasil
Yan Couto em partida contra o Uruguai no Estadio Centenario em Montevideu pelas Eliminatórias 2026. (Foto: Vitor Silva/CBF)

Após essa entrevista, a CBF divulgou uma nota nas redes sociais negando que tenha pedido para o jogador se apresentar sem o cabelo colorido.

– A CBF reafirma seu compromisso com a liberdade, a pluralidade, o direito à autoexpressão e livre construção da personalidade de cada indivíduo que trabalhe na entidade ou defenda a Seleção Brasileira. Para a entidade, o desempenho do colaborador fala por si só.

Segundo a entidade, o cabelo 'platinado' não faz parte da lista, e as restrições foram discutidas com os atletas, não impostas. Alguns jogadores se apresentaram com o cabelo dessa forma e não foram advertidos.

Isabelle Costa, enviada especial do Lance!

News do Lance!

Receba boletins diários no seu e-mail para ficar por dentro do que rola no mundo dos esportes e no seu time do coração!

backgroundNewsletter