Bruno Guimarães - Brasil

Volante é capitão da Seleção Olímpica (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

LANCE!
04/06/2021
16:03
Belgrado (SRV)

Bruno Guimarães, capitão da Seleção Olímpica, falou, em entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira, sobre a preparação do elenco para os Jogos de Tóquio e seus amistosos preparatórios. O jogador ainda comentou sobre a mudança de sede da Copa América para o Brasil, falando também que a decisão final deve ser dos profissionais de saúde.

Veja a tabela das Olimpíadas

Começou o Brasileirão! Conheça o aplicativo de resultados do LANCE!

- A gente está bem distante. Estamos aqui na Sérvia, tem distância de horário de onde eles (Seleção Brasileira) vão jogar. Mas, como eu sempre deixei claro em todas as entrevistas que eu dei, o importante é preservar vidas. Acho que os profissionais de saúde são as pessoas certas para decidir isso. Eu tenho focado aqui, estou focado nas Olimpíadas. Estou em outro momento. Acho que que tem que decidir isso não é a A, não é B, mas os profissionais de saúde, eles que sabem exatamente o que vem acontecendo. E quero aproveitar essa pergunta e deixar o meu apoio a toda a população que perdeu um ente querido, uma pessoa querida, quero deixar os meus sentimentos - disse.

O volante do Lyon também comentou sobre a preparação da equipe para os Jogos Olímpicos de Tóquio, listando também alguns dos adversário que, em sua avaliação, brigam com o Brasil pelo ouro.

- Eu vejo a gente com uma grande projeção, com uma grande chance de conquistar o bicampeonato. Acho que aqui só tem jogadores de altíssimo nível, grandes jogadores que já são os principais jogadores em suas equipes. Avaliando outras equipes, eu vejo a França como uma grande adversária, a própria Alemanha, que vamos enfrentar na fase de grupos também, então eu vejo a gente com uma boa chance de título, mas quando entrar em campo, a gente tem que provar que a gente vai conquistar o bicampeonato - falou.

Capitão da Seleção Olímpica, o camisa 5 também falou na coletiva de imprensa sobre a importância de ter tal função no grupo de jovens jogadores, explicando como conseguiu a faixa e o que faz para mantê-la.

- É uma função que exige trabalho, exige respeito, exige confiança. Eu conquistei isso com o tempo, com o dia-a-dia, com a vontade de trabalhar, com a vontade de treinar. Então tem que ter sabedoria. Conquistei isso dentro de campo com títulos e jogos, com entrevistas, com entendimento de tudo. É algo muito importante. Carrego isso comigo desde pequeno, desde a base. Nos clube que passei, as pessoas já falavam: 'Você tem cara de capitão, você tem liderança, você inspira os outros pela forma que você corre, que você briga'. Espero não perder isso comigo. É uma qualidade que eu tento passar para todos para que todos possam desempenhar o seu melhor também - adicionou.

Com experiência também no time principal da Seleção Brasileira, Bruno Guimarães falou sobre o sentimento de vestir a camisa verde e amarela para representar o país em competições.

- Todo momento que você veste a camisa da Seleção, não importa se é a primeira vez que você vem ou se é a centésima, sempre tem um gostinho de estreia, aquele friozinho na barriga, aquele sentimento bom. Vestir essa camisa aqui, ser convocado para a Seleção não tem preço - disse o jogador.

O Brasil enfrenta o Cabo Verde às 14h (de Brasília) deste sábado em amistoso preparatório para as Olimpíadas de Tóquio.