(Foto: Reprodução)

Médico impediu a continuidade de Nate Diaz por conta de um corte acima do olho direito (Foto: Reprodução)

TATAME
05/11/2019
15:30
Nova York (EUA)

O duelo entre Jorge Masvidal e Nate Diaz, no último sábado (2), na luta principal do UFC 244, gerava muita expectativa por reunir dois lutadores que, na maioria de seus combates, promovem muita ação para os fãs de MMA. O confronto, no entanto, terminou de forma inesperada, quando antes do início do quarto round, o médico Nitin K. Sethi entrou no cage e, ao analisar o corte profundo acima do olho direito de Diaz, impediu a continuidade do atleta no combate.

Desta forma, Masvidal foi declarado vencedor por nocaute técnico (interrupção médica), o que causou a frustração de muitos torcedores que gostariam de ver a sequência da luta, que até então, estava em alto ritmo. O médico responsável por interromper o embate, no entanto, revelou que além de ouvir xingamentos da plateia ainda na saída do octógono, recebeu diversos tipos de ameaça, conforme revelou em entrevista ao site MMA Fighting.

- Eu sou um ótimo neurologista e médico. Estão me chamando de lixo, ligando para o meu escritório e gritando com minha equipe, me ameaçando. Eu temo pela minha vida e segurança. Alguém vai sair machucado, e provavelmente serei eu desta vez. As pessoas não percebem o que fazem quando falam essas coisas, é uma triste realidade deste esporte - afirmou Sethi, médico contratado pela Comissão Atlética de Nova York para ser responsável pelo combate, que na sequência, explicou o motivo de ter interrompido o duelo.

- Eu tomei uma decisão objetiva, embasada na minha avaliação do lutador. Não somente pelo corte, mas também pelo estado geral do atleta e como a luta estava se desenrolando. Uma vez que percebi que não poderia garantir a saúde e integridade para a luta continuar, tive que tomar uma decisão difícil -

Com a polêmica situação que envolveu sua interrupção no combate entre Masvidal e Diaz, e após revelar as ameaças recebidas desde a luta do último sábado, Nitin Sethi teme que outros médicos que possam estar em caso semelhante tenham receio de tomar a mesma decisão.

- Depois do que aconteceu comigo, vou contar algo. A única coisa lamentável disso é que você agora terá médicos apavorados para tomarem decisões. E quando as pessoas têm medo de tomar decisões porque estão com medo da repercussão dela, nós entramos em um território muito perigoso. Tenho muito respeito pelo Sr. Diaz, é um lutador que nunca desiste. Ele com certeza não pararia e gostaria de continuar, assim como ele mesmo me disse no octógono, respeito isso. Todos têm um olhar diferente de quando interromper uma luta. Um fã e um juiz podem enxergar de maneiras distintas. Um médico vê de forma diferente, e no final das contas, quando se têm um médico presente, você precisa respeitar sua decisão - concluiu.