Marlon Moraes e José Aldo fizeram uma encMarlon Moraes e José Aldo fizeram uma encarada tensa, mas respeitosa (Foto: Reprodução/YouTube/UFC)arada tensa, mas respeitosa (Foto: Reprodução/YouTube/UFC)

Marlon Moraes abriu o jogo após vitória e polêmica com José Aldo (Foto: Reprodução/YouTube/UFC)

TATAME
06/02/2020
12:20
Rio de Janeiro (RJ)

Por Mateus Machado

Primeiro colocado no ranking da categoria peso-galo, Marlon Moraes venceu José Aldo por decisão dividida em dezembro, no UFC 245, mas passou por uma situação desconfortável logo na sequência, ao ver o próprio adversário, o campeão Henry Cejudo e até mesmo Dana White, presidente da organização, afirmarem que o resultado deveria ter sido a favor do ex-campeão peso-pena, que no duelo em questão, fez sua estreia na divisão dos galos.

Passados quase dois meses do confronto, Marlon garante estar tranquilo em relação ao seu futuro na categoria. Apesar de reforçar o seu sentimento de vitória na luta contra Aldo, o lutador de Nova Friburgo (RJ) admite que precisa contabilizar uma nova vitória – tendo uma performance dominante – para, assim, receber uma possível chance de disputar o cinturão mais uma vez. No entanto, deixou claro que ainda não “engoliu” o fato de José Aldo ser o próximo desafiante ao título, mesmo que algumas “teses” o façam compreender o fato do Ultimate querer casar uma luta do manauara diante de Cejudo.

- A cabeça fica tranquila, porque, realmente, não era a hora de lutar novamente pelo cinturão. Eu venci o Aldo, mas foi uma luta apertada e eu acabei de disputar o cinturão, acredito que seria a hora de outro lutador disputar o cinturão. Lógico que se me chamassem para disputar o título eu aceitaria, mas eu ganho tempo, vou chegar muito mais forte futuramente. Outra coisa é que, pelo jeito, perder de pouco para mim está valendo muito (risos). Então, acho que o Aldo, pelo simples fato de ter perdido para mim na decisão, uma decisão apertada, vai ganhar o title shot - disse o “Mágico”, que em junho do ano passado, enfrentou o campeão Henry Cejudo, mas saiu derrotado por nocaute no terceiro round.

Confira o bate-papo com Marlon Moraes na íntegra:

– Como você avaliou a mudança de postura do Aldo após a luta?

Mudou bastante a postura dele depois da luta, mas bola pra frente, vamos ver o dia a dia, e o meu dia a dia agora é treinar, buscar uma luta. Acabo de vir de uma vitória sobre o Aldo, eu fui o vencedor e o meu objetivo agora é continuar treinando, evoluindo, e quem sabe a gente não se esbarra futuramente? Tenho certeza que a próxima vez que eu e ele estivermos lá dentro do octógono, um dos dois vai ser nocauteado, e tenho muita confiança de que o nocauteado não será eu.

– Na sua opinião, por que o Ultimate vem tentando casar a luta do Cejudo contra o Aldo?

Eu tenho alguns pontos de vista dessa possível luta do Cejudo com o Aldo. Primeiro que a minha luta com o Aldo foi bem dura, então se ele fez uma luta dura comigo, ele teria condições de lutar com o Cejudo, vendo o que eu fiz na categoria, por eu ter nocauteado vários atletas do Top 5 da divisão. O simples fato dele ter perdido de pouco para mim já significaria a ele uma chance de lutar pelo cinturão. Outro ponto de vista seria pelo Aldo ser brasileiro, e um brasileiro popular, muito famoso, e é um cara que traria uma visibilidade maior para esse evento, com esse evento sendo no Brasil (provavelmente em São Paulo, no mês de maio). O que eu mais acho, de todos esses pontos que citei, acho que foi de tudo um pouco, mas eu vejo que o fato do Cejudo ter essa vontade de lutar com o Aldo, pelo o que o Aldo foi, pelo passado do Aldo, e achar que é uma luta boa para ele. O Cejudo deixou o cinturão da categoria inferior (peso-mosca) e o UFC optou por fazer esse favor a ele, dar a luta que ele quer na categoria peso-galo. Mas eu acho que isso não faz sentido nenhum, tem outros caras na frente do Aldo. Como fã do esporte, acredito que a gente deve ter reconhecimento pelo o que fazemos lá dentro do cage e certamente existem outros caras à frente do Aldo na divisão.

– Como você fica ao ver essa situação ocorrendo na categoria? Você venceu um lutador e ele disputará o título na sequência…

A cabeça fica tranquila, porque, realmente, não era a hora de lutar novamente pelo cinturão. Eu venci o Aldo, mas foi uma luta apertada e eu acabei de disputar o cinturão, acredito que seria a hora de outro lutador disputar o cinturão. Lógico que se me chamassem para disputar o título eu aceitaria, mas eu ganho tempo, vou chegar muito mais forte futuramente. Outra coisa é que, pelo jeito, perder de pouco para mim está valendo muito. Então, acho que o Aldo, pelo simples fato de ter perdido para mim na decisão, uma decisão apertada, vai ganhar o title shot, então foi bom para mim, no caso.

– Como você avalia seu momento visando uma futura disputa de título?

Eu sou um cara muito crítico. Se eu tivesse perdido para esse cara (José Aldo), eu falaria, mas realmente venci a luta. Acho que para ganhar novamente a chance de disputar o cinturão, eu tenho que vencer uma luta e ter uma performance muito boa. Como eu acabei de lutar pelo cinturão, eu acho que seria a hora de outro, e por isso o UFC optaria por escolher outro lutador. O José Aldo foi o escolhido, não sei por qual motivo. Tenho as minhas teses, mas eu vou continuar treinando, fazendo novas lutas e, em breve, me credencio a disputar o título novamente.

– Dos atletas do Top 5 da divisão, quem você espera enfrentar em breve?

Tem muita gente para lutar. A expectativa é lutar pelo cinturão sempre, um dia eu vou voltar lá. Disputei, perdi, mas eu vi que tenho condições de sair daquele cage como campeão. Acho que sou um dos melhores dessa categoria e tem muito cara duro, no Top 5 é só pedreira, por exemplo. Acredito que o Petr Yan, o Cory Sandhagen e o Aljamain Sterling são opções para eu enfrentar. Vamos ver o que o UFC vai querer, o plano deles. Esses que citei estão vindo muito bem e espero ser o escolhido para enfrentar um deles.