Atualmente os clássicos entre Galo e Raposa são divididos na proporção de 90% de ingressos para o mandante e 10% são direcionados ao visitante

Clássico realizado no último domingo teve problemas dentro e fora do Mineirão (Imagem: Reprodução/TV Globo)

Fabio Chiorino e Rodrigo Borges
13/11/2019
09:57

Está batido o martelo. Após uma série de episódios violentos no Mineirão e em outros pontos de Belo Horizonte no domingo, o clássico entre Atlético e Cruzeiro, um dos maiores do futebol brasileiro, passará a ser disputado com torcida única, como já acontece com os clubes de São Paulo. Os presidentes de Galo e Raposa, Sérgio Sette Câmara e Wagner Pires de Sá, se reuniram ontem e decidiram pela mudança, sem interferência do Ministério Público. Um cenário triste e cada vez mais melancólico, marcado por torcedores incapazes de conviver em um mesmo espaço, pela falta de estrutura pública necessária para eventos deste porte e pela costumeira impunidade que serve como combustível para uma sucessão de crimes historicamente relativizados, mesmo sendo o futebol um microcosmo da sociedade. Atos condenáveis cometidos por membros de torcidas organizadas, mas também pelos tais "cidadãos de bem", que aproveitam o caos para revelar suas verdadeiras faces. A cada ano, as rivalidades perdem um pouco mais de suas essências. Festas particulares onde o adversário é sempre proibido de entrar. O ódio venceu mais este duelo.

Quer ler mais opinião e informação todos os dias? O LANCE! Espresso é uma newsletter gratuita que chega de manhã ao seu e-mail, de segunda a sexta. É uma leitura rápida e saborosa como aquele cafezinho de todos os dias, que vai colocar você por dentro das principais notícias do esporte. A marca registrada do jornalismo do LANCE!, com análises especiais. Clique aqui e inscreva-se.