Sede da Uefa

Uefa ressaltou que está pronta para 'estender nossa mão ao povo ucraniano' (Divulgação)

LANCE!
24/02/2022
13:35
Nyon (SUI)

Por meio de uma nota oficial, a Uefa condenou, nesta quinta-feira, a invasão militar da Rússia à Ucrânia, que teve início durante a madrugada. Dessa forma, a confederação europeia de futebol afirmou que partilha da mesma preocupação da comunidade internacional com a questão da segurança do Velho Continente em meio ao conflito.

- Como órgão dirigente do futebol europeu, a UEFA trabalha incansavelmente para desenvolver e promover o futebol de acordo com valores europeus comuns, como a paz e o respeito pelos direitos humanos. Continuamos resolutos em nossa solidariedade com a comunidade do futebol na Ucrânia e estamos prontos para estender nossa mão ao povo ucraniano - publicou a Uefa, em nota.

+ Confira e simule a tabela da Champions League 2021/22

Além disso, a confederação europeia de futebol deixou claro que tem tratado a situação "com a maior seriedade e urgência". Para isso, decisões serão tomadas pelo Comitê Executivo e anunciadas na próxima sexta-feira.

Entre elas, está a realização da final da Liga dos Campeões desta temporada, que será realizada no dia 28 de maio, em São Petersburgo, na Rússia. No entanto, a tendência é que haja a mudança da sede por causa do conflito. Mesmo que a cidade seja localizada distante da fronteira com a Ucrânia, o conflito pode tornar inviável a realização do evento. 

Nas últimas semanas, a tensão tem tomado conta do Leste Europeu diante da movimentação da Rússia em direção a um possível confronto bélico com a Ucrânia. O presidente russo Vladimir Putin reconheceu, na última terça, que a independência de repúblicas separatistas ucranianas e enviou tropas às regiões de Donetsk e Lugansk.

+ Guerra na Europa: veja 18 abalos no esporte que a invasão da Rússia a Ucrânia já causou

Contudo, a Ucrânia não reconhece a independência das regiões separatistas e tenta negociar a retirada das tropas russas. Em meio ao conflito, a ONU fez duras críticas ao governo russo e outras potências como o Estados Unidos ameaçaram impor sanções econômicas e políticas à Rússia, com o indicativo de que existe "o risco de um grande conflito" - o que teve início nas últimas horas.