Troféu da Copa América

Conmebol anunicou que Copa América 2021 será no Brasil (Foto: Fernando Torres/CBF)

Luiz Fernando Gomes
31/05/2021
13:19
São Paulo (SP)

E o Brasil vai se tornando a escória do mundo. Se a Colômbia e a Argentina desistiram da Copa América, não tem problema, a gente recorre aquela republiqueta onde tudo é permitido, onde reina o negacionismo, a irresponsabilidade, o descaso com a vida! Foi simples assim – e fácil de entender - o raciocínio da cartolagem da Conmebol.

>> Desistências, mudanças de sede... As reviravoltas da Copa América

>> Conheça o aplicativo de resultados do LANCE!


Não é uma questão de ideologia – vale dizer que os colombianos têm um governo de direita e os argentinos um presidente de esquerda. É questão de bom senso. Suspender esse torneio mambembe e fora de hora é, acima de tudo, uma questão de respeito à vida e às vítimas! Negá-lo é uma questão de caráter!

É triste, mas não é surpreendente. A CBF tem a cara do bolsonarismo. O bolsonarismo tem a cara da CBF. Rogério Caboclo, que assumiu com o discurso da transparência, da modernidade e da transformação, que vem sendo questionado por seu comportamento explosivo e autoritário, denunciado por assédio moral, coloca-se de vez como legítimo sucessor da dinastia maléfica e corrupta de Ricardo Teixeira, José Maria Marin e Marco Antônio Del Nero. Sua real biografia acaba de ser escrita. No país de Bolsonaro, o futebol tirou a máscara do seu Bolsonaro!


Ainda há esperança de que o bom senso, a moralidade e o respeito sobrevivam. Que os governadores sejam firmes, que proíbam esses jogos em seu território, que vetem a utilização dos estádios públicos com a autoridade que lhes foi concedida pelo STF para enfrentar a pandemia. É uma chance de ouro para separar o joio do trigo. Para que, de uma vez por todas, o Brasil fique sabendo quem está ao lado da vida, da ciência, do respeito e quem é cúmplice de quase 500 mil vítimas do negacionismo e da estupidez.

Fora Copa América!