Thiago Correia
08/12/2015
16:50
Rio de Janeiro (RJ)

O time chegou na Major League Soccer (MLS), a principal liga de futebol dos Estados Unidos, apenas em 2011. Porém, o atual campeão do torneio, em final disputada no domingo contra o Columbus Crew, já existe desde 1975, e carrega uma tradição, no mínimo, curiosa. Desde 1978, um lenhador fica ao lado do campo com um tronco de árvore, e a cada gol do time de Oregon, ele corta uma lasca com sua serra elétrica, e dá ao jogador que balançou as redes. Se o goleiro sai zerado, também leva o presente. Além disso, o clube tem diversos atos para contribuir com a sociedade (veja mais abaixo).

- O meu antecessor (Jim) trouxe um tronco e uma serra elétrica para o estádio uma vez e começou a cortar lascas durante a comemoração. Como existem várias árvores ao redor da cidade e madeira é o nome do clube, tinha tudo a ver - explica Timber Joey, mascote do clube, em entrevista concedida ao LANCE! em 2013, que garante que nenhuma árvore é derrubada, mas sim encontrada na natureza já no chão.

No fim, trata-se também de uma maneira inteligente que os dirigentes do clube encontraram de fazer marketing, aparecer na mídia, de uma forma que pudesse remeter à tradição do time. Além de tudo, ao contrário do que possa parecer em um primeiro momento, o que o Timbers faz não tem nada de ecologicamente incorreto. Pelo contrário. A natureza vence.

- Quando decidimos ingressar na MLS, queríamos começar algo novo, mas conectar com o nosso passado e continuar as tradições particulares - disse Mike Golub, chefe de operações do Timbers, ao L!, também em 2013:

- A cada gol nosso, ou seja, a cada lasca tirada de um tronco que já estava morte, uma nova árvore é plantada por nós em parceria com o projeto Friends of Trees (Amigos das Árvores). Temos novos prédios e arranha-céus subindo todos os dias, é importante plantar árvores.

Timber Joey é um verdadeiro personagem. Já tem um visual extravagente, e apesar de ser um torcedor símbolo de um clube de futebol, ele é jogador de rúgbi, e ainda trabalha em rodeios. Ele acaba puxando a torcida que sempre lota o Providence Park.

- Posso dizer que não é apenas a torcida mais animada do futebol nos Estados Unidos, mas em qualquer esporte. É fantástico, vejo jogos de beisebol, de futebol americano, e nunca vi nada parecido.

Portland Timbers (Foto: Divulgação)
Torcida do Portland Timbers (Foto: Divulgação)

Tudo isso faz parte da Timbers Army, a torcida organizada do Portland. Criada em 2001 com o nome de Cascade Rangers, começou com a ideia de fazer barulho durante os 90 minutos. Isso além de alguns tributos. O mais famoso é que é feito a Hannah, filha de Jim, o lenhador original.

Ela morreu em 2004, e ela sempre cantava "You Are My Sunshine", clássico de Jimmie Davis, para sua irmã caçula. Na primeira vez que Jim voltou ao Providence Park depois da tragédia, a torcida fez uma homenagem levantando milhares de girassóis na arquibancada, entoou a canção, e ainda saiu o gol.


O clube também gosta de trazer alegria e fazer boas ações. Uma das mais emblemáticas aconteceu em maio de 2013. O jovem Atticus Lane-Dupre foi diagnosticado com câncer, e foi escolhido para participar do programa "Make-a-Wish Oregon" (de uma organização mundial, "Faça um Desejo", em português). Sua escolha foi que o seu time, o Green Machine, com garotada de sua faixa etária, entre os oito e nove anos, disputasse uma partida contra o Timbers. Com os jogadores profissionais mesmo.

Green Machine x Portland Timbers (Foto: Divulgação)
O jovem enfrentou o Portland Timbers (Foto: Divulgação)

O jogo foi no Providence Park, mais de 3 mil torcedores compraram a ideia e foram às arquibancadas. Atticus foi à preleção com o time profissional, e depois os seus amigos foram ao vestiário. tinha até uma placa com o nome do garoto que recebia o desejo, e uniformes para todos. O astro do dia comandou a vitória por 10 a 9, marcou quatro gols e, claro, levou suas toras de madeira.

- Normalmente as crianças escolhem ir para a Disney com suas famílias ou algo assim. Eu escolhi algo em que muitas pessoas pudessem participar - esclareceu o jovem.

A torcida voltou a fazer das suas apenas duas semanas depois. Em um jogo contra o San Jose Earthquakes, o jogador Alan Gordon teria ofendido o capitão Will Johnson com palavras de cunho homofóbicas. Ele foi punido por três jogos, o meia nem é gay, mas a torcida resolveu se manifestar.

Na partida seguinte no Providence Park, um enorme mosaico com as cores do movimento LGBT coloriram as arquibancadas. A ação fez parte da campanha "Pride, Not Prejudice" (Orgulho, sem preconceito).

Torcida do Timbers (Foto: Divulgação)
Torcida do Timbers faz campanha (Foto: Divulgação)

- A Timbers Army (torcida organizada do Portland) tem a política de "tolerância zero" desde a sua criação, em 2001. Nosso mosaico é em honra ao Dia Internacional do Orgulho Gay e uma forma de demonstrar nosso comprometimento em fazer um espetáculo bonito para todos. Como a linguagem ofensiva de Alan Gordon mostrou, homofobia é um problema real em esportes americanos. Como torcedores, temos que fazer o melhor para mostrar que nem existe isso no esporte - disse Abram Goldman-Armstrong, o "Double-Axe", membro da torcida.