Treinadores e profissionais da comissão técnica foram orientados pela NFL a usarem máscaras ou protetores faciais na sideline

Denver Broncos / Reprodução

LANCE!
07/09/2020
21:04
Nova York, Estados Unidos

A realização da temporada 2020 da NFL era tratada com bastante desconfiança. Mas o futebol americano vai voltar a partir desta quinta-feira, quando o atual campeão Kansas City Chiefs entra em campo para enfrentar o Houston Texans, a partir das 21h20 (de Brasília). A intenção da liga é que todo o torneio aconteça conforme previsto em calendário. A vantagem é que a competição só se inicia neste mês de setembro, afastado do período que a pandemia atingiu o platô nos Estados Unidos. Para tanto,, a NFL tomou medidas contra o novo coronavírus e estabeleceu um rígido protocolo para garantir a segurança de atletas e demais envolvidos no jogo. Veja abaixo como o futebol americano voltará no chamado 'novo normal'. 

Apitos eletrônicos serão utilizados na NFL
Fox 40 / Reprodução

Donos do apito
Os apitos tradicionais utilizados por treinadores durante as práticas das equipes e também pelas 'zebras', os árbitros da NFL, foram substituídos pela versão eletrônica, fabricada pela Fox 40. Tudo para evitar que a saliva prolifere o vírus da Covid-19. 

Cheerleaders do Miami Dolphins posam para fotos na Cidade do México
(Foto: Divulgação/Miami Dolphins)

Sem cheerleaders e mascotes 
Como já vem acontecendo na NBA, as tradicionais cheerleaders, líderes de torcida, e os mascotes também não vão aparecer nos jogos da NFL. A Liga quer minimizar a exposição de jogadores, comissão técnica e árbitros a outros elementos do jogo, considerados neste momento pouco essenciais. As equipes, todavia, irão integrar cheerleaders e mascotes em outros aspectos do dia de jogo, como em apresentações onlines.  

O Dallas Cowboys ainda vai decidir qual será a capacidade de público em volta da NFL
Dallas Cowboys / Reprodução

Vai ter público?
​Essa é uma das discussões que vêm agitando a liga nos últimos dias. Apenas seis times apontaram que vão contar com a presença de público no estádio. A capacidade será reduzida. Os demais 26 times da NFL decidiram não abrir para os torcedores, mas vão contar com o que vem sendo utilizado nos esportes pelo mundo: o áudio do público. A liga ainda decide qual será a limitação de decibéis. Muitos dirigentes criticaram a decisão de algumas franquias sobre a presença de público nos estádios, ressaltando que isso poderia gerar algum tipo de benefício. Todavia, a referida influência está mais no campo da hipótese, segundo a NFL, e não há um acerto sobre o tema. A situação ainda depende da regulamentação estabelecida por cada estado. Veja abaixo quais os times anunciaram que vão liberar a presença de torcida:

Cleveland Browns - 10% da capacidade do estádio.
​Dallas Cowboys - A franquia ainda vai decidir qual a capacidade será liberada. 
​Indianapolis Colts - 3,5% da capacidade do estádio. 
​Jacksonville Jaguars - 25% da capacidade do estádio.
Kansas City Chiefs - 22% da capacidade do estádio. 
​Miami Dolphins - 20% da capacidade do estádio 

Nada de troca de camisas e apertos de mão
Um dos recentes gestos praticado pelos atletas, até mesmo registrados pela NFL em suas redes sociais, está vetado. Os jogadores não poderão trocar camisas após as partidas. Os 'souvenirs' eram, em algumas circunstâncias, assinados. A liga também proibiu o tradicional aperto de mão entre os jogadores e comissões. Está proibida, de acordo com a liga, as interações pós-jogo a menos de 2 metros. 

O 'garoto da água' 
O processo de hidratação dos atletas nesta temporada será bastante controlado e completamente do que se via na NFL. Cada jogador terá que procurar a sua garrafa ou copo específico. Sabe aquela imagem de um membro do staff hidratando jogadores ainda com o helmet? Pois é. Podem esquecer também. Os atletas serão responsáveis pela própria hidratação, além de cuidar dos protetores bucais, materiais que deverão ser higienizados. 

Cara ou coroa 
Apenas um jogador de cada time vai comparecer ao chamado 'Coin Toss', conhecido por nós como cara ou coroa. Eles deverão utilizar máscaras ou protetores faciais. Antes, os capitães dos times compareciam ao momento que definia o posicionamento de campo. 

Imprensa na arquibancada 
A liga não vai permitir que jornalistas de TV permaneçam na sideline dos estádios. Uma das ideias é que eles sejam posicionados nas primeiras fileiras das arquibancadas, com as entrevistas sendo feitas de forma remota ou até mesmo com microfones que respeitem o distanciamento social. 

Alimentação individual 
Os jogadores não poderão ter o famoso serviço de self service. As refeições pós-partida, por exemplo, serão feitas de forma individual e com utensílios esterilizados. Refeições solicitadas fora do hotel ou concentração dos times serão permitidas, desde que sigam as orientações de entregas para evitar a contaminação pela Covid-19. 

Elevadores não recomendados e limpeza absoluta 
Os responsáveis pela acomodação dos atletas durante as viagens foram orientados a indicar que os elevadores dos locais sejam evitados. Dessa maneira, andares deverão ser reservados inteiramente à comissão técnica e os atletas, caso queiram se deslocar nos espaços, serão encorajados a utilizarem as escadas. Nos centros de treinamento, a recomendação da NFL é que superfícies com alto potencial de toque sejam limpas três vezes com produtos que vêm sendo utilizados em hospitais. Os encontros entre jogadores para as famosas revisões de vídeo e reuniões serão restritas sempre a 15 pessoas. Qualquer encontro com um quórum superior será feito de forma virtual. 

Tom Brady
(Foto: AFP)

Quarentena dos quarterbacks
Para assegurar a completa saúde de seus quarterbacks, estrelas absolutas do time como o caso de Tom Brady, agora no Bucs, algumas franquias pensam em isolar por completo seus QBs durante toda a temporada. O Eagles, por exemplo, contratou Josh McCown para integrar o time de treinamento, mas vai permitir que o veterano jogador, de 41 anos, trabalhe literalmente de home office no Texas..

Atividades proibidas 
O jornal norte-americana USA Today apontou uma lista das atividades de alto risco consideras proibidas pela NFL e que poderão render punições imediatas aos atletas. 
- Frequentar uma boate coberta com uma multidão de mais de 10 pessoas e sem usar máscara.
- Frequentar um bar coberto com mais de 10 pessoas (exceto para pegar um pedido delivery) sem usar máscara.
- Participar de um evento de música / concerto / eventos de entretenimento em área coberta.
- Participar de encontros caseiros com mais de 15 pessoas presentes e sem uso de máscara.
- Participar de eventos esportivos profissionais (exceto seus próprios jogos) sem usar máscara e sentar-se em uma área protegida, como uma suíte ou box do proprietário.
- Participar de qualquer reunião ou evento que viole as restrições locais e estaduais.

Doendo no bolso
A recusa de um atleta ou membro das franquias em fazer os testes COVID-19 acarreta uma multa máxima de US$ 5 mil. Recusar-se a usar uma máscara, dependendo da reincidência, pode render uma multa máxima de US$ 14.650. Se recusar a usar dispositivos de rastreamento de contato ou não aderir às diretrizes de distanciamento social também acarreta uma multa máxima de US$ 14.650 para reincidentes.

Exigência de máscara 
As máscaras são necessárias para todo o staff da liga, jogadores, e comissão enquanto viajam para os jogos. Eles também são necessários dentro de todas as instalações da equipe, com exceção dos treinamentos. Durante os jogos, todos os treinadores e membros da equipe na sideline devem usar máscaras. Para os atletas, a utilização das máscaras na sideline foi apenas recomendada. Não existe uma obrigatoriedade por parte da NFL.