Apresentação do técnico Fernando Diniz no Flu

Fernando Diniz foi apresentado no Fluminense (FOTO: MAILSON SANTANA/FLUMINENSE FC.)

Luiza Sá
23/12/2018
07:00
Rio de Janeiro (RJ)

A chegada de Fernando Diniz ao Fluminense traz um ar diferente ao que o clube vinha adotado com Abel Braga e Marcelo Oliveira. Com um estilo de jogo mais "revolucionário", o treinador assumiu a missão de ajudar na reconstrução tricolor para a próxima temporada. Seu estilo de jogo, porém, precisará passar por adaptações para funcionar no time do Flu atual. O LANCE! mostra algumas estatísticas dele.

– Tenho que melhorar o que venho fazendo. Acreditam que falta de qualidade dificulta a implantação do meu estilo de jogo. Tendo a achar que é ao contrário. Quero facilitar para os jogadores terem prazer e coragem de jogar. O jeito de jogar que proponho é para facilitar. Quando tem qualidade técnica e humana, tem mais chance de ganhar. Mas o estilo de jogo é uma solução. A essência do jogo que eu proponho se adapta ao jogador independente da qualidade técnica. Acredito muito que é possível implantar o sucesso do Audax. É preciso tempo - disse o técnico em sua apresentação no CT.

Quando Diniz foi demitido do Athletico-PR, a equipe estava em penúltimo lugar, com um aproveitamento de 34%. Em números do 'Footstats', o Furacão era líder em passes do Brasileirão e Santos era o goleiro com mais toques de bola, destacando-se, inclusive, a eficiência nesse quesito. No entanto, o time era o que tinha mais finalizações sofridas e apenas o 20º em desarmes.

Falando ainda dos passes trocados, o time paranaense foi o quarto nesse quesito no ano, atrás de Grêmio, Atlético-MG e Corinthians. Para se ter ideia, o Flu trocou um total de 14.248 passes contra 17.145 do Athletico. Na posse de bola, a equipe do treinador tinha uma média de 77,1% de posse de bola, enquanto o Tricolor somou, em todo ano, 48,84%.

Um dos pontos de maior preocupação para Diniz está justamente nos passadores do time. O Fluminense perdeu seus jogadores líderes nesse quesito, como mostrou o Blog Números da Bola, Richard, para o Corinthians, Ayrton Lucas, vendido ao Spartak Moscou, e Léo, que não será aproveitado. O lateral-direito Gilberto e o zagueiro Digão também podem sair. 

Em termos de finalizações, no Campeonato Brasileiro, o Athletico de Fernando variava muito nas partidas. Em casa, por exemplo, os números eram melhores do que fora. Em cinco partidas em seus domínios, foi uma média de 14,2 chutes. Já longe da Arena da Baixada, a média caiu para 10,1 em sete jogos.