Futebol Latino
15/05/2019
16:47
Maceió (AL)

O confronto entre CSA e Flamengo está bem distante de acontecer, já que está agendado apenas para o dia 12 de junho. Todavia, com o assunto da venda de mando de campo por parte do Azulino para a cidade de Brasília, medida confirmada na última terça-feira (14) pelo presidente do clube, Rafael Tenório, o duelo virou um dos assuntos mais comentados (e também criticados) pelo torcedor Azulino.

As correntes de pensamento caminham para os dois lados da questão, existindo aqueles que entendem como uma medida equivocada e que diminui as chances do time do Mutange superar o time carioca bem como aqueles que analisam por outro prisma, pontuando o benefício financeiro e não vendo o Flamengo como adversário direto na luta para chegar ao principal objetivo do clube em 2019: permanecer na Série A do Brasileirão.

Pelo lado dos descontentes, até mesmo uma campanha promovendo a ideia de "público zero" no próximo compromisso em casa do time alagoano no BR-2019 (Goiás no próximo dia 27 de maio) como forma de pressionar a diretoria a não tomar esse tipo de atitude novamente. 

- Você, que é torcedor do CSA e não concorda com venda de mando de campo contra nenhum time, participe da campanha, vamos mostrar a força da nossa torcida a essa diretoria, que está fazendo o torcedor de palhaço e fazer-los (sic) sentir no bolso diretamente com o cancelamento do sócio e público zero nos jogos de mando do CSA - diz a imagem que circula nas redes sociais.

Por sua vez, também houve uma movimentação virtual em apoio a medida que teve como "figura" o presidente do clube Azulino com direito até mesmo a promoção em uma arte com a "#FECHADO COMRT" e as palavras "Se é para o melhor do clube, te apoiamos!".

- Nossa disputa no campeonato não é contra o Flamengo, mas com os clubes que estão na parte mais baixa da tabela. Vender o jogo contra o Flamengo vai render dinheiro ao CSA e isso será revertido em contratações, que fará o nosso time ficar mais forte para brigar de igual para igual com equipes como Vasco, Fluminense, Botafogo, Goiás e outros - disse o torcedor favorável a medida, João Paulo Nunes.

Pressão e licença do cargo

Tamanha tem sido a pressão sobre a decisão tomada pelo mandatário do CSA que, em declaração dada ao portal Globo Esporte, ele disse que está se licenciando do cargo além de pontuar que Omar Coelho, vice-presidente, assume o comando do clube ao menos pelos próximos 90 dias.

- Estou me afastando da presidência do clube por um período de 90 dias. Já assinei a carta de afastamento e estou entregando ao presidente do Conselho Deliberativo, Raimundo Tavares. O motivo foi a repercussão por conta da venda do mando de campo. Vou parar, cuidar das minhas empresas e refletir sobre o meu futuro no CSA.