Ricardo Gomes

Ricardo Gomes tem três vitórias,  dois empates e três derrotas (Foto:Geraldo Bubniak /AGB/Lancepress!)

Bruno Grossi
25/09/2016
07:35
São Paulo (SP)

O São Paulo tem tentado ver o copo meio cheio. Para Ricardo Gomes, o abafa desesperado na eliminação para o Juventude foi um “espetáculo”. O técnico e o diretor-executivo Marco Aurélio Cunha deixaram de lado a queda na Copa do Brasil, minimizam a luta contra o rebaixamento e ressaltam as três vitórias nos últimos quatro jogos. Mas para que o otimismo não transborde e deixe o copo meio vazio, é preciso agir imediatamente.

Neste domingo, às 16h, o Tricolor encara o Vitória, no Barradão, pela 27 rodada do Campeonato Brasileiro. Os baianos são rivais diretos contra a degola. Se vencerem, diminuem para dois pontos a distância para os paulistas, que voltariam a conviver com a pressão. Mas como o copo anda meio cheio pelos lados no Morumbi, um triunfo pode deixar o Grêmio, até outro dia postulante ao título, para trás na tabela – os gaúchos jogam em casa com a Chapecoense.

Depois, serão mais 11 partidas até o fim do Brasileirão e da temporada, seis como mandante e cinco como visitante. Assim, o São Paulo terminará o ano com 71 atuações, exatamente a mesma quantidade do ano passado. E se houve insatisfação da torcida pelo quarto lugar e os 57% de aproveitamento de 2015, os atuais 45,7% geram ainda mais indignação. São 22 vitórias, 15 empates e 22 derrotas neste ano, cheio de críticas à capacidade do elenco e pressa para que os ajustes sejam feitos.

'Eu, como técnico, tenho de pensar nesse ano. E podemos evoluir ainda mais', aposta Ricardo Gomes

Pois, lembram do copo meio cheio dos são-paulinos? Há mais argumentos para o otimismo de Ricardo Gomes e companhia. O que pode ser considerado bom na eliminação da Copa do Brasil é a chance de semanas livres para treinos no CT da Barra Funda. O elenco, que sofreu muito com lesões até aqui, terá mais tempo para respirar, se recuperar fisicamente e, finalmente, sanar os problemas na criação das jogadas. Nada de pensar em “Feliz 2017!”

– Temos um jogo importantíssimo contra o Vitória e precisamos pensar em recuperação no Brasileiro. Não podemos pensar em 2017, não. O planejamento do clube tem várias pessoas para fazerem. Eu, como técnico, tenho de pensar nesse ano. E podemos evoluir ainda mais – avisou o treinador.

Lugano - Juventude x São Paulo
São Paulo venceu o Juventude na última quinta-feira, mas foi eliminado na Copa do Brasil (Foto: Pedro H. Tesch/Eleven/Gazeta Press)

Até o fim da temporada, serão oito períodos mais largos entre os jogos finais da Série A. O primeiro começa amanhã, com cinco dias até o duelo com o Flamengo no Morumbi. Correria somente dos cariocas para o Sport (três dias de intervalo) e do Santos para o Fluminense (apenas dois dias) e do Grêmio para a Chapecoense (três dias).

A SEQUÊNCIA FINAL

Vitória

Neste domingo, no Barradão. Times separados por cinco pontos.

Flamengo
Em 1 de outubro, no Morumbi. Cariocas brigam pelo título.

Sport
Em 5 de outubro, na Ilha do Retiro. Outro confronto direto.

Santos
Em 13 de outubro, no Pacaembu, por acordo das diretorias.

Fluminense
Em 16 de outubro, fora de casa, mas sem local definido.

Ponte Preta
Morumbi, 23 de outubro. Macaca briga pelo G4.

América-MG
Em 29 de outubro, no Independência, o lanterna pode já estar rebaixado

Corinthians
Morumbi, 6 de novembro. Rival ainda briga pelo G4.

Grêmio
Morumbi, 16 de novembro. Mais um rival direto.

Chapecoense
Em 20 de novembro, Arena Condá, onde nunca perdeu ou sofreu gols.

Atlético-MG
Em Minas, 27 de novembro, Galo pode ter chances de título.

Santa Cruz
Morumbi, 4 de dezembro. Pernambucanos podem estar rebaixados.