Marcio Porto
29/06/2016
11:40
São Paulo (SP)

Acertada os pontos da negociação com o Porto (POR), o São Paulo aguarda a parte burocrática para registrar um novo contrato com duração de quatro anos com o zagueiro Maicon. Em troca, o clube pagará seis milhões de euros (cerca de R$ 22 milhões) parcelados e cederá já agora o zagueiro Lucão e o lateral-esquerdo Inácio. O clube português ficará com os direitos federativos e 50% dos direitos econômicos dos jovens, que devem se apresentar ao novo clube na semana que vem.

A tendência é que o São Paulo mantenha 50% de participação nos jogadores para o caso de uma negociação fatura, mas a diretoria ainda não confirma a composição exata do negócio.

Para justificar o investimento em Maicon, um dos principais destaques do time na Libertadores, o São Paulo aponta ganho de R$ 18 milhões líquidos com a classificação do time para as semifinais da competição. A diretoria tinha planejamento orçamentário levando em conta apenas uma classificação para as oitavas de final. Só de renda nos jogos das quartas e semi o São Paulo deve arrecadar cerca de R$ 10 milhões, o restante vem de premiações.

Além da questão pura financeira, o clube leva em conta a situação de dois zagueiros para considerar o negócio bom. Primeiro porque vê que recuperou Lucão, que estava queimado com a torcida. Com o jogador no Porto, o São Paulo vê a possibilidade de recuperar o investimento sobre um jogador que teria muita dificuldade para se desenvolver no clube, pelo histórico de falhas.

Outra razão envolve Lyanco, também zagueiro de 19 anos. Pela projeção da diretoria e comissão técnica, Lyanco ultrapassará Lucão na ordem de zagueiros do grupo a partir do segundo semestre - Lucão passaria a ser a quinta. A permanência de Maicon, na avaliação do São Paulo, também será essencial para o melhor desenvolvimento de Lyanco, que já foi referendado por treinadores como Juan Carlos Osorio e Marcelo Bielsa.

A contratação de Maicon teve grande repercussão nas redes sociais do São Paulo, a maioria esmagadora foi positiva. O clube vê que está contratando mais do que um simples jogador, mas sim o símbolo de uma retomada de confiança em geral.