Léo Saueia
05/09/2016
07:15
São Paulo (SP)

Disposto a mudar a sina de brigar por título apenas no primeiro semestre, o Santos abriu os cofres e foi atrás de reforços para formar um elenco forte e capaz de dividir Brasileiro e Copa do Brasil.

Mesmo mais encorpado que anos anteriores, o Peixe ainda sofre com antigos problemas, sendo o principal deles pontuar fora de casa. Para o jogo contra o Internacional, na próxima quinta-feira, no Beira-Rio, a equipe pode voltar ao G4 do torneio em caso de vitória. Mas para isso terá de se superar.

Por diferentes fatores, o técnico Dorival Júnior não consegue repetir o time desde a 12 rodada, na derrota para o Grêmio, coincidentemente também em Porto Alegre. Desde então, lesões, suspensões, negociações e convocações forçaram substituições nos titulares.

Diante do Inter, desesperado para voltar a vencer e deixar a zona de rebaixamento, Dorival terá novamente alterações a fazer. Com Thiago Maia suspenso, o meia Léo Cittadini deve ser promovido. Na zaga, Luiz Felipe retorna de suspensão e recupera vaga de David Braz. Além disso, o colombiano Copete não participou dos últimos treinos e o Lucas Lima, na Seleção, também é dúvida. 

Lutando contra a fama de Robin Hood do Brasileirão, por deixar escapar pontos para times da parte de baixo da tabela, como América-MG, Coritiba e Figueirense, o Santos terá ainda pela frente um tabu para pôr fim a esta sina e se reabilitar no topo: voltar a vencer no Beira-Rio após oito anos.

Em julho de 2008, o Peixe bateu o Inter no Sul por 1 a 0, com gol do atacante Maikon Leite. Desde então, foram disputados sete jogos: quatro empates e três derrotas.

"Contra tudo e contra todos", o terreno é propício para quem gosta de superação. Resta saber até onde o Santos está disposto a chegar...