Lance
12/08/2016
07:30
Rio de Janeiro (RJ)

Com 51 provas, entre séries de qualificação, eliminatórias e finais, o atletismo começa a ser disputado nesta sexta-feira nos Jogos Olímpicos Rio-2016. Confira abaixo alguns números curiosos e marcas históricas a respeito da modalidade que integra o programa olímpico desde a primeira edição na era moderna, em Atenas-1896. Os dados são da empresa Gracenote Sports, especializada em estatísticas esportivas.

322 medalhas de ouro foram conquistadas pelos Estados Unidos no atletismo olímpico, mais do que os demais países que já disputaram a competição

66 são os países que conquistaram uma medalha de ouro na história das Olimpíadas

48 anos tinha o britânico Tebbs Johnson quando conquistou a medalha de bronze na marcha atlética 50 km nos Jogos de Londres-1948. Ele é o mais velho atleta a ganhar uma medalha em Olimpíadas

16 anos tinha a alemã Ulrike Meyfarth, quando venceu a prova do salto em altura nos Jogos de Munique-1972. É a mais jovem campeã olímpica do atletismo

14 são as medalhas conquistadas pelo Brasil na história do atletismo olímpico. A última delas veio com Maurren Maggi e sua medalha de ouro no salto em distância, nos Jogos de Pequim-2008

9 é o número de ouros conquistados pelo finlandês Paavo Nurmi e o americano Carl Lewis na história das Olimpíadas. O jamaicano Usain Bolt precisa de mais três medalhas douradas para se igualar a eles

8 vitórias consecutivas tem o Quênia na prova dos 3.000 m com obstáculos masculina. Trata-se da maior sequência invicta em um evento específico do atletismo.

5 medalhas é o que a velocista americana Allyson Felix precisa para tornar-se a primeira mulher com esta marca na história do atletismo olímpico

3 medalhas de ouro em Jogos Olímpicos consecutivos. Os jamaicanos Usain Bolt e Shelley-Ann Fraser-Pryce podem se tornar os primeiros a alcançar esse feito nos 100 metros rasos, masculino e feminino, nos Jogos do Rio.

2 vitórias seguidas nos 5.000 m e 10.000 m poderão igualar o britânico Mo Farah, que venceu estas duas provas em Londres-2012, ao finlandês Lasse Viren, que fez essa dobradinha em Munique-1972 e Montreal-1976.