Bernardo Cruz e Felipe Domingues
14/08/2016
17:25
Rio de Janeiro (RJ)

Durante oito anos, Diego Hypolito foi conhecido como o homem que havia caído duas vezes em Olimpíadas, quando era favorito ao ouro. No Rio de Janeiro, se o rótulo ainda existisse, o ginasta tratou de jogá-lo para longe. Foi medalhista de prata e, enfim, alcançou sua glória máxima no esporte.


Quando metade dos ginastas já haviam apresentado suas séries, Diego era o segundo colocado. Nesse momento em diante, alguns dos maiores nomes da ginástica no mundo se apresentaram, como Kenzo Shirai (JAP) e Samuel Mikulak (EUA). Sob os olhares nervosos do brasileiro, eles erraram. 

- Achei que medalha não ia dar. Pensava: "Fiz o meu máximo, mas não vai dar, vou ficar em quarto, quinto lugar". E eu estava passando mal, por conta da ansiedade de ver todos competindo. Aí a minha pressão caiu, comecei a ficar tonto e pensei: "Vou desmaiar aqui, vou dar esse vexame" - revelou Diego, antes de completar:

'Sou infinitamente pior que nas outras edições olímpicas, e consegui uma prata. Quando saí do tablado, saiu um caminhão das minhas costas' - D. Hypolito

- Muitos disseram que eu não conseguiria, e só meus esforços e Deus me diziam até onde eu ia. Nunca deixei de acreditar que eu poderia. Eu sou infinitamente pior do que nas outras Olimpíadas, e consegui uma prata. Quando eu saí do tablado, saiu um caminhão das minhas costas.

E não foram apenas as quedas que atrapalharam a caminhada de Hypolito ao sonhado pódio olímpico. O ginasta tornou-se reserva da Seleção, já que a prioridade era um bom resultado por equipes, e ficou perto de não ir aos Jogos do Rio. Aos 30 anos, porém, ele já projeta outro ciclo olímpico na carreira.

- Ainda vou para a minha quarta Olimpíada, sim, não vou parar. Amo demais o que eu faço. Esse momento não tem explicação. É muito legal olhar e ver que consegui, que tudo valeu a pena, desde criança. Esse é o momento mais emocionante da minha vida. Vou levar para o resto da vida. Pretendo ir para os próximos Mundiais, os Jogos Olímpicos... - disse.

Confira abaixo outras respostas de Diego Hypolito após a prata:

Sensação de ser medalhista olímpico
"Eu não consigo acreditar que isso é real. Isso mostra para qualquer pessoa que, se você acreditar nos seus sonhos, é possível alcançar. Eu tive uma Olimpíada que caí de bunda, outra que, literalmente, caí de cara. Na terceira, fiquei de pé. Eu não era tão bom quanto fui nas outras duas edições, e consegui a medalha. Isso é inexplicável, uma sensação maravilhosa. Nunca desistam dos sonhos de vocês".

Apoio do treinador Marcos Goto, de Arthur Zanetti
"O Marcos Goto é o verdadeiro merecedor dessa medalha. Ele acreditou em mim quando ninguém acreditou. Quando outros treinadores falaram que eu não podia, ele disse que podia. Quando os outros disseram que eu não ajudaria a equipe, ele disse que sim. Então o Marcos, campeão olímpico, fez com que eu fosse medalhista olímpico".

Você pensou muito nas outras quedas em Olimpíadas
"Nunca imaginei que isso pudesse ser real, ter dois atletas medalhistas olímpicos. Mas eu estava tão atordoado, pensando se eu iria acertar ou não, que quando virei para a última acrobacia, me veio o filme de Pequim. Nessa mesma hora, eu pensei: 'Você treinou, se preparou, se dedicou. Não deixa seu trabalho ir por água abaixo'. Eu estava muito ansioso de ontem para hoje. Quando eu acordei, eu pensei: 'Não vou deixar escapar dessa vez. Não há nada que vai me impedir de chegar no meu objetivo e meu sonho'".

Sobre o Brasil poder fechar os Jogos com quatro medalhas na ginástica
"O mais importante é fazermos a nossa parte, sem pressionar o Zanetti ou a Flavinha. O Arthur vai conseguir. Eu acredito nele, ele é um campeão. Ele tem de fazer o máximo dele. Ele já é campeão olímpico. Será um minuto para definir muito tempo de treinamento. Mas ele tem de fazer a parte dele, e eu acredito que fará"