Fernando Prass no vestiário do Prudentão antes do vexame (FOTO: Cesar Greco/Palmeiras)

Fernando Prass no vestiário do Prudentão antes do vexame (FOTO: Cesar Greco/Palmeiras)

LANCE!
27/03/2016
18:43
São Paulo (SP)

Assim que deixou o gramado do Prudentão após a derrota por 4 a 1 para o Água Santa, neste domingo, o goleiro Fernando Prass foi questionado se há alguma explicação ou solução para a má fase do Palmeiras, que perdeu os quatro jogos sob o comando do técnico Cuca.

- Não dá para explicar. Se tem solução? Tem. Tem solução, quem não acreditar que pule fora. A gente tem que trabalhar, trabalhar, trabalhar para melhorar. Nunca vi um time melhorar só na conversa - disparou o camisa 1.


Assim que a partida terminou, todos os jogadores se reuniram para uma conversa no centro do gramado do Prudentão. Nenhum deles quis dar detalhes do que foi falado, mas Prass deixa claro: é preciso corrigir os erros com trabalho, não apenas com bate-papo.

- É trabalhar, fazer o quê? Se tu tiver uma fórmula mágica tu passa para a gente - disse.

- É um monte de coisa. Técnica, confiança, sorte também... Teve uma bola com dois, três minutos, em que poderíamos ter feito gol (chute de Robinho bateu na trave). Toda hora que o adversário chega é com perigo. Temos repetido os erros. Temos de trabalhar, não tem desculpa para dar. É difícil. Não pode fugir da briga - acrescentou.

Assim como na derrota por 2 a 1 para o Red Bull, a torcida do Verdão hostilizou diretoria e jogadores na arquibancada. No dia anterior, membros da Mancha Alviverde foram até a Academia de Futebol para conversar com alguns atletas - e estão sendo acusados pelo clube de invasão.

- A torcida do Palmeiras tem ido, segunda média de público do campeonato. Não tem o que falar. Temos de ter a cabeça tranquila, o que é difícil. É no campo que vamos resolver os problemas. É horrível, tira nossa confiança. Temos de juntar quem acredita. Quem não acredita tem de sair do barco. Temos de juntar os cacos e trabalhar - completou o goleiro.