Odair Santos com o Guia, Erixon Nascimento. ©Alaor Filho/MPIX/CPB

Odair Santos (direita) ganhou sua segunda medalha no Rio de Janeiro (Foto: Alaor Filho/MPIX/CPB

LANCE!
13/09/2016
23:12
Rio de Janeiro (RJ)

No sexto dos 11 dias de competição dos Jogos Paralímpicos Rio-2016, o Brasil já conseguiu repetir o número de medalhas conquistadas na última edição do evento, em Londres-2012. Há quatro anos, a delegação nacional encerrou a competição com 43 medalhas. E, nesta terça-feira, o país fechou a jornada exatamente com o mesmo número de pódios obtidos no Rio de Janeiro.

A marca foi alcançada com as oito láureas conquistadas no atletismo, natação, halterofilismo e tênis de mesa. Se o número do total de medalhas já foi alcançado, na quantidade de ouros a delegação segue bem atrás. Foram 21 em Londres, contra dez no Rio de Janeiro até o momento. Mas ainda dá tempo de ultrapassar o resultado, pois a Paralimpíada Rio-2016 só termina no domingo. 

Outra marca que ainda é possível (e provável) de ser quebrada é do total de medalhas do Brasil em uma edição. O recorde é de Pequim-2008, com 47.

Veja abaixo um resumo do dia brasileiro nesta terça-feira na Paralimpíada.

Único ouro do dia vem no revezamento no atletismo

Revezamento 4x100m (Foto: Alaor Filho/MPIX/CPB)
Atletas do revezamento 4x100m exibem as medalhas de ouro no Engenhão (Foto: Alaor Filho/MPIX/CPB)

O Brasil só subiu no lugar mais alto do pódio uma vez nesta terça-feira. A vitória aconteceu no revezamento 4x100m rasos T11-13 no atletismo, com Diogo da Silva, Gustavo Araújo, Daniel Silva e Felipe Gomes. O país faturou outras três láureas na modalidade. Odair Santos foi prata nos 1.500m T11, Mateus Evangelista também ficou em segundo lugar no salto em distância T37, e Edson Pinheiro levou o bronze nos 100m rasos T38.

Brasil coloca dois atletas no pódio pela primeira vez 

Andre Brasil (Prata) e Phelipe Rodrigues (Bronze) - 100m livre S10 Paralímpicos Rio 2016(Foto:Marcelo Regua/MPIX/CPB)
Andre Brasil e Phelipe Rodrigues só ficaram atrás de ucraniano (Foto: Marcelo Regua/MPIX/CPB)

Na natação, o Brasil saiu do Estádio Aquático com duas medalhas. E elas vieram na mesma prova, nos 100m livre S10. Andre Brasil, que contou com sua mãe Tânia na torcida, ficou com a prata. E Phelipe Rodrigues veio logo na sequência, com o bronze. 

Medalhas inéditas no tênis de mesa e no halterofilismo

Bruna Alexandre (Foto:Daniel Zappe/MPIX/CPB)
Bruna Alexandre e sua medalha inédita no tênis de mesa (Foto:Daniel Zappe/MPIX/CPB)

O fator casa tem ajudado o Brasil a quebrar barreiras no esporte paralímpico. E nesta terça-feira o país conquistou duas medalhas inéditas na história dos Jogos. No halterofilismo, Evânio da Silva tornou-se o primeiro atleta da modalidade no país a subir no pódio, com a prata na categoria até 88 quilos. E no tênis de mesa, Bruna Alexandre é a primeira atleta do sexo feminino a medalhar, com o bronze na classe 10. 


Classificações no futebol de 5, goalball e vôlei sentado

A equipe brasileira de futebol de 5 empatou em 0 a 0 com o Irã e avançou em primeiro lugar no Grupo A, e enfrentará a China nas semifinais. 

No goalball, os times masculino e feminino passaram para quartas de final. Entre os homens, a equipe venceu a Alemanha por 10 a 4, ficou em primeiro lugar no Grupo A, e enfrentará a China na abertura dos mata-matas. Entre as mulheres, a Seleção passou por cima da Argélia por 10 a 0, também terminou em primeiro no Grupo A, e vai encarar a Ucrânia por uma vaga na final.

O país repetiu exatamente o mesmo script no vôlei sentado. As equipes masculina e feminina venceram a Alemanha por 3 a 1 e a Holanda por 3 a 0, respectivamente, e terminaram a fase de grupos em primeiro lugar. Os adversários serão definidos nesta quarta-feira.