torcida Paraná

Organizada do Paraná foi na divisória de setores da Vila cobrar reforços. (Reprodução/PFC)

Guilherme Moreira
17/06/2016
23:40
Curitiba (PR)

A torcida paranista perdeu a paciência com a derrota, de virada, por 2 a 1 para a Luverdense nesta terça-feira, na Vila Capanema, pela décima rodada da Série B. Os torcedores do Paraná criticaram jogadores e diretoria no estádio.

Depois de sair na frente do placar, com Murilo ainda na primeira etapa, o Tricolor levou a virada em dois minutos no segundo tempo. Os gols foram em cobranças de escanteio. Após os tentos, a equipe se perdeu em campo e poderia levar uma goleada se o adversário não desperdiçasse as inúmeras chances criadas.

Assim, acompanhando o time levar pressão do rival dentro de casa, os 1.665 presentes no Durival Britto e Silva começaram a protestar a partir dos 25 minutos do segundo tempo. Gritos de "time sem vergonha", "time medíocre" e "queremos jogador" foram ouvidos da arquibancada. 

- Foram dois gols de bola parada, falhas nossas e eles cresceram no jogo naturalmente. Buscamos o empate, mas perdemos os pontos em casa. Ainda tem muito tempo, mas a torcida tem a razão de protestar. É do direito dela. O importante é levantar depois de cair - declarou Zé Roberto, que entrou no intervalo.

A organizada Fúria Independente, que virou de costas por alguns minutos, se direcionou para a divisão da Curva Norte com a Social para reclamar dos jogadores Pitty, Fernandes e Lúcio Flávio. Ainda cobraram reforços da diretoria, que prometeu investimentos no Campeonato Brasileiro durante o Estadual.

- A reação é natural pelo segundo tempo, mas o jogador tem que entender que só ele pode mudar isso. O resultado passa pelo o que os atletas fazem em campo. Eles têm que ter personalidade para superar essa cobrança - completou Marcelo Martelotte, que estreou no comando técnico.

Décimo segundo colocado, com 13 pontos, o Paraná enfrenta o CRB na terça-feira, às 19h15, no Rei Pelé.