Alexandre Campello - Presidente do Vasco

Alexandre Campello é o presidente do Vasco (Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br)

David Nascimento
09/08/2019
22:28
Rio de Janeiro (RJ)

O jurídico do Vasco obteve uma vitória contundente na Justiça, visando equilibrar novamente as finanças do clube - principalmente na área trabalhista. José de Fonseca Martins Junior, desembargador presidente do Tribunal Regional do Trabalho da Primeira Região (TRT-1), deferiu, de maneira liminar, um novo ato trabalhista para o Cruz-Maltino. O LANCE! teve acesso a íntegra da decisão, que aponta que o clube presidido por Alexandre Campello terá seis anos para pagar a dívida estimada em R$ 125.064.079,54, oriunda de 494 ações ainda vigentes que o Vasco responde no TRT-1, em parcelas mensais de R$ 2 milhões.

Com a aprovação do novo ato trabalhista, todas estas dívidas das 494 ações no TRT-1 serão incluídas na execução centralizada. Isto fará com que as obrigações sejam pagas em uma fila de credores, de maneira mensal, com as pequenas parcelas. Foi determinado que seja expedido um ofício para todos os juízes das Varas do Trabalho do Estado do Rio de Janeiro para que em ações impetradas até esta data de publicação do ato, todas as dívidas não sejam levadas para penhoras ou bloqueios, e sim encaminhadas para a execução centralizada.

O Vasco entrou com este pedido de novo ato trabalhista no último dia 5 de julho. Sustentou que as 494 ações que sofre na Justiça do Trabalho fazem com que o clube fique prejudicado em seu regular desenvolvimento das atividades institucionais. Também informou ao juízo que estas demandas, com as correspondentes penhoras e ordens de bloqueio de valores, colocam em risco o regular funcionamento da instituição. O próprio Vasco que informou, nos autos, que pretende findar a totalidade da dívida milionária com as condições que acabaram sendo acatadas pelo desembargador presidente do TRT-1.

Como garantia para o prosseguimento regular do ato, o Vasco informou que o Grupo Globo efetivará os depósitos de créditos em favor do clube, mensalmente, até o dia 15 de cada mês. O Cruz-Maltino apresentou como prova desta garantia os contratos formalizados com a empresa de comunicação pelos direitos de transmissão de jogos da equipe, em todas as mídias, com vigência até dezembro de 2024. Consultado pelo desembargador presidente do TRT-1, o Ministério Público do Trabalho, por meio da procuradora regional Mônica Silva Vieira de Castro, pronunciou-se pela aprovação do novo ato trabalhista solicitado pelo Vasco.

> Confira a seguira íntegra da decisão!

placeholder