Pedro Roese

Divulgação

TÊNIS NEWS
13/10/2021
12:03
Flórida (EUA)

Pedro Roese foi campeão estadual e campeão mundial de Veteranos no tênis. Paulo Roese defendeu a seleção brasileira de vôlei. Walter Roese defendeu a seleção brasileira no basquete e trabalha na NBA, nos EUA. Heloísa Roese defendeu a seleção brasileira no vôlei. Fernando Roese foi campeão Pan-Americano no tênis em Indianápolis, nos EUA.

O sobrenome Roese tem muita relevância e peso no esporte brasileiro, especialmente no tênis, vôlei e basquete.


Esta galeria de campeões e destacados atletas da família Roese vai ampliando a sua lista.


Aos 27 anos, Pedro Saueressig Roese vem construindo uma trajetória bem-sucedida e inspiradora no tênis dos Estados Unidos. O hamburguense conquistou, em 2014 e 2017, dois títulos nacionais (NCAA) defendendo uma universidade da Flórida. Ganhar uma vez é complicado. Duas, então, é feito para poucos.


Atualmente, ele é diretor de tênis e manager da RG Tennis Center, na Flórida. É neste projeto que ele vem realizando um trabalho diferenciado, consolidado a partir de uma trajetória vitoriosa e de reconhecimento no concorrido tênis universitário norte-americano.



Filho de Fernando e Monica Roese, Pedro vai escrevendo uma bela história exatamente no país onde seu pai conquistou o ouro em simples nos Jogos Pan-Americanos de 1987 – além do bronze em duplas mistas, ao lado da paranaense Gisele Miró.


TRAJETÓRIA


Com a influência tenística na família, Pedro começou a jogar tênis aos 4 anos. Na sua infância e adolescência, treinou e praticou nas sociedades Aliança e Ginástica, OK Center, São Leopoldo Tênis Clube, Instituto Gaúcho de Tênis (IGT), em Porto Alegre, e na Academia de Bebe Perez, em Montevidéu, no Uruguai.


Nesta caminhada, cabe ressaltar que, em razão da sua evolução técnica, ele foi convidado a integrar os treinamentos do IGT e com Bepe Perez. Os convites surgiram como sinais de reconhecimento do seu desempenho e profissionalismo. Sempre esteve entre os melhores do Rio Grande do Sul no ranking estadual infanto-juvenil


DECISÃO


Aos 17 anos, veio a decisão de se dedicar ao tênis universitário. Ele viajou aos EUA em agosto de 2012, logo após completar 18 anos. O primeiro destino foi Pensacola, na Flórida. “Sempre gostei de desafios e corri atrás do que considerei o melhor caminho. Apesar de ficar longe e sofrer com esse distanciamento, sabia que era a melhor escolha possível, levando em consideração que eu queria continuar a jogar um tênis de alto nível, além de poder passar para outros os meus conhecimentos no esporte”, relata o hamburguense.



A oportunidade veio através de um convite da University of West Florida (UWF), que proporcionou uma bolsa de estudos. “Muitos brasileiros faziam parte da equipe, o que me ajudou na adaptação”, comenta.


Pedro Roese representou a UWF de 2013-2017, período em que vieram dois títulos nacionais (NCAA). “Aprendi om outras culturas e me tornei uma pessoa diferente. Essa experiência ajudou muito como jogador”, enfatiza Pedro, que no ano de 2016 ainda passou um período de intercâmbio em Hong Kong, onde treinou, estudou e trouxe vivências culturais únicas na bagagem.


Na temporada de 2017, ele se consagrou como um forte nome na escalação. O gaúcho foi nomeado o capitão da equipe.


NOVO CARGO


Em 2019, Pedro Roese retornou para a UWF, mas como Assistant Coach. “Fui escolhido através de um processo bem seletivo. Depois de algumas conversas com o Head Coach Derrick Racine, fui convidado a tomar essa desafiadora posição. Durante dois anos tivemos bons resultados. Participamos mais uma vez do torneio nacional e também nos sagramos campeões regionais, em 2019. Tinha um trabalho duro de recrutamento, onde tive de julgar qual seria o melhor jogador para fazer parte da equipe. Tive o prazer de ter recrutado dois jogadores ALL-American em simples e também em duplas”, destaca.



Como Assistant Coach, também veio uma bolsa de estudos. Desta vez para fazer um mestrado ou MBA com ênfase em Empreendedorismo. Ele terminou os estudos no fim de 2020 e, com isso, teve de deixar o cargo. “Hoje, continuo como Assistente Voluntário”, explica.


RG TENNIS CENTER


Foi na sequência deste período que o hamburguense e o amigo Valentim Gonçalves decidiram criar a RG Tennis Center, também em Pensacola. “Valentim ficou à frente enquanto eu estava estudando. Neste ano, a academia me contratou oficialmente como Manager e Director of Tennis”, conta.


A Flórida é considerada uma das grandes potências do tênis nos EUA, com diversas academias gigantescas no Estado. Isso representa oportunidades, mas também desafios. “Hoje em dia desenvolvemos tenistas juniores para eles chegarem a um nível de college ou até profissional. A RG Tennis Center oferece a modalidade para todos os níveis, dos 4 anos em diante”, relata.


Roese explica que o trabalho começou com 30 clientes e, hoje, são mais de 200 pessoas fazendo parte da academia. “Importante ressaltar que, entre 2017 e 2021, eu tive a oportunidade de acompanhar alguns grandes nomes do tênis brasileiro em torneios ATP e WTA. Em 2017, viajei para o US Open como 'hitting partner' do André Sá. O Marcelo Demoliner também me chamou para ser assistente em alguns torneios da temporada 2017-2018, incluindo o US Open 2017. Nos anos seguintes acompanhei o Guilherme Clezar em torneios ATP e challenger, assim como fiz parte da equipe técnica da Gabriela Cé, que disputou WTAs e três Grand Slams”, detalha



TRABALHO


Atualmente, Roese e a RG trabalha com jogadores de ótimo ranking na Flórida e também nacional. “Nos próximos anos vamos formar cerca de 15 atletas para o tennis universitario. Nós proporcionamos a eles o mais alto nivel de treinamento, desde 1-1 coaching até treinos fisicos de alto rendimento. Na região somos um dos unicos centros de treinamento que oferece esse tipo de treino. Fico muito feliz em poder ajudar e compartilhar minhas experiências com a gurizada mais jovem e que tambem tem a mesma paixão que eu tenho, o TÊNIS.

PLANOS


E quais são os planos de Pedro Roese nos EUA? “Queremos crescer a academia (RG Tennis Center) e passar a minha experiência para todos aqueles que eu possa alcançar. O objetivo é formar bons jogadores e influenciar o máximo de pessoas possível. Formar atletas de alto rendimento é um dos objetivos principais. Somos diferentes dos clubes daqui. Temos um mindset de mudar uma cultura e trazer uma nova forma de treinamento para os nossos atletas. Um plano muito legal e também motivador, pois em pouco tempo já estamos tendo bons resultados”, explica.



Filho e neto de campeões das quadras de tênis, é impossível não considerar na caminhada de Pedro Roese a influência familiar. “Meu avô era um viciado no tênis, o que obviamente levou meu pai a jogar. Eu, já estando no meio de tudo isso, resolvi pegar a raquete e tentar a sorte. Meu pai sempre me ajudou na minha formação, passando sua experiência como atleta e, agora, como coach. No início, quem se responsabilizava pelos meus treinos era minha mãe. Ela me levava para tudo quanto era lugar para treinar e jogar torneios, O esporte sempre esteve na família e é exatamente isso que quero levar a diante. Ensinar aos outros meus aprendizados. assim como meu pai e meu avô fizeram comigo”, comenta.


RECADO


Sobre jovens que desejam estudar e praticar tênis nos EUA, o gaúcho deixa uma lição encorajadora. “A melhor escolha que fiz na minha vida foi ter vindo jogar e estudar nos EUA. Pude competir em alto nível enquanto fazia minha formação. Trabalhando duro para alcançar as metas - isso é fundamental na vida de um atleta. Coloque metas para você e tente alcançá-las como puder, seja no treino ou na escola. Os estudos me proporcionaram muito dentro do tênis e me ajudaram a ser um jogador e treinador melhor. Meu recado: dê o seu máximo sempre; quando você acha que não pode mais, vai lá e prove que você pode. O sentimento de ter alcançado aquilo que você trabalhou tão duro para conseguir não tem igual. Vá em busca deste sentimento e desafie-se todos os dias”, ensina.