LANCE!
09/07/2017
22:35
Santos (SP)

Comandante interino do São Paulo apenas neste domingo, já que Dorival Júnior só começa a trabalhar na segunda-feira, Pintado concedeu entrevista coletiva após a derrota por 3 a 2 sobre o Santos com um discurso de luta. O ex-volante, que comandava equipes menores antes de virar auxiliar do Tricolor, sabe que a penúltima posição do Brasileiro pesa, mas acha que a situação não pode piorar.

- Não acredito que a gente possa cair mais. Vamos iniciar, agora, uma recuperação. O Dorival já tem muita informação do nosso dia a dia e teremos muita atenção com a parte de baixo da tabela. Não podemos esquecer que o campeonato não acabou, Teremos os pés no chão. Amanhã é outro dia para voltar a lutar e ir para o meio do ringue, para a batalha de novo - disse Pintado.

- De onde venho, esse sofrimento é constante, mas, para o São Paulo, não é. Não estamos acostumados, é surpreendente, um peso, incomoda. Mas a dificuldade faz parte do futebol. Algumas equipes já passaram por isso, outras vão passar. E o São Paulo vai se recuperar - prosseguiu o auxiliar.

O São Paulo não vence há sete jogos e, no clássico de domingo, viu o goleiro Renan Ribeiro falhar em dois dos três gols do colombiano Copete e Lucas Pratto bater um pênalti na trave. Mas Pintado se apega à esperança que Lucas Fernandes e Shaylon deram ao entrar em campo - Shaylon, inclusive, fez o primeiro gol do time, que chegou a sonhar com o empate.

- O São Paulo precisa de tudo, precisamos trabalhar tudo. Mas não é por falta de trabalho que estamos nesta situação. Você perde confiança sem resultados. Precisamos ter os pés no chão, ver a realidade. Não dá para contar história e criar situação. O momento é difícil, mas os últimos minutos mostraram que podemos sair de um resultado adverso, e jogar aqui é sempre difícil. Estão todos muito tristes, mas ninguém de braços cruzados. A tendência é crescer, e o Dorival tem condição de melhorar isso.

Confira outros temas abordados por Pintado em sua entrevista coletiva neste domingo, na Vila Belmiro:

San-São
Tivemos condições de ter um resultado melhor ou não sair perdendo, mas não existe 'se' no futebol. Não fomos competentes para colocar a bola para dentro e o Santos aproveitou. Poderíamos ter mais alegria para buscar o gol. Mas saímos de um 3 a 0 para uma possibilidade de empate. Só conheço o São Paulo vencedor e tenho certeza de que verei o São Paulo brigando na parte de cima.

Dorival Júnior
Ele vai chegar com uma responsabilidade grande, mas, pelo profissional que é, já deve ter um caminho para seguirmos. Vai chegar com a cabeça fresca, para encontrar uma luz no horizonte e nos dar oxigênio. Começamos hoje e, mais para frente, vamos comemorar vitórias

Rodrigo Caio
Não me atrapalhou porque trabalhamos com e sem o Rodrigo. Em nenhum momento, foi descartado, tanto que treinou normalmente. Quando foi liberado para jogar, se incorporou. Normalmente.

Cueva
Foi uma decisão técnica minha o Cueva não ia iniciar a partida. Ninguém dentro do São Paulo tem melhor relacionamento com ele do que eu. A gente se conhece desde o México, sempre conversamos. É óbvio que, quando o conjunto tem dificuldade, o jogador que é responsável por criar, ser o melhor e aparecer também tem dificuldade. Com certeza, ele terá uma reação, se quiser, para crescer junto, porque o São Paulo vai reagir. O Dorival conhece muito bem a qualidade dele, o que ele pode dar ao São Paulo. Vamos fazer tudo juntos, o time não pode depender só de um, dois ou três. O São Paulo precisa reagir junto. Dois não podem carregar dez, mas dez podem carregar dois ou três. Isso que é importante.

Escalação
Minha ideia era montar a equipe mais simples possível, com cada um na sua posição. Optei pelo Buffarini porque tem coração grande, luta, briga, sempre entrega o seu melhor. A ideia era manter o lado dele mais resguardado para sair com o Júnior. Isso aconteceu um pouco no primeiro tempo, depois os gols atrapalharam. O Gomez chegou bem e fez um bom jogo, como o Arboleda. Entregaram o que esperávamos. Serão muito úteis. Ficou provada nossa força de recuperação, e não podemos nos entregar agora. O São Paulo que conheço tem força para sair dessa, e o Dorival vai conseguir.

Erros de Renan Ribeiro e Pratto
Não precisamos desses lances para ver que a fase não está boa. O atleta em campo está propenso a errar. Não pode acontecer, estamos incomodados, mas não são só dois ou três, todos precisam carregar todos para sairmos dessa.

Shaylon e Lucas Fernandes
Reagimos porque eles entraram em um momento oportuno. São jovens, não devem ficar à parte, mas não devem ter a responsabilidade de resolver nosso problema. Temos jogadores com peso muito grande que vão nos ajudar a sair dessa, e os jovens vão ajudar esses de maior peso. Shaylon e Lucas estão incorporados e vão amadurecer, nos dar alegria.

Leco se diz sem culpa por insucesso de Ceni
Presidente é a autoridade máxima do clube. Todos nós temos responsabilidade aqui dentro, ninguém pode fugir, escapar ou se esconder. Não dá para carregar em uma pessoa só. Todos nós temos de carregar porque todos estamos trabalhando, estamos incomodados e queremos sair dessa situação. E vamos sair. Não precisamos criar mais problemas, precisamos sair dessa situação e a solução é no campo.

Aderlan
Será importante. É sangue novo, coração novo, isso vale bastante, e em uma posição que pode ter mais carência ainda. É equilibrar a equipe para o Dorival ter as melhores peças à disposição.