Santos x Avaí

Sampaoli na vitória do Santos sobre o Avaí na tarde deste domingo (Foto: Jota Erre/Photo Premium/Lancepress!)

LANCE!
28/07/2019
18:56
Rio de Janeiro (RJ)

A vitória sobre o Avaí, na tarde deste domingo, na Vila Belmiro, fez o Santos assumir a liderança do Campeonato Brasileiro, ultrapassando o Palmeiras. Um dos responsáveis pela sequência positiva da equipe na competição é o técnico Jorge Sampaoli. O treinador analisou o momento do Peixe na temporada, pregando humildade para a continuidade do trabalho. Ao ser questionado se o Santos é o time a ser batido agora, o comandante disse que agora o seu maior rival é ele mesmo.

- Feliz pela liderança, jogadores se esforçam muito para competir como foi hoje. Sabendo que nos faltam muitas coisas. A ideia se manteve intacta. E isso nos deixa felizes. Vamos ver daqui para frente. Chegamos em um ponto que veremos se vamos conseguir manter o primeiro lugar jogo a jogo. Embaixo de nós, temos equipes que já deram resultado. O desafio é o que vem - afirmou o treinador em entrevista coletiva após a partida, completando:

- Chegamos agora na liderança e pode durar muito pouco. É um desafio com nós mesmos. Temos que saber que nosso maior rival agora somos nós mesmos. O ânimo está alto. O futebol muda muito rápido. É preciso estar atento e concentrado. Agora, quero apertar para que melhorem, para que fixem os conceitos e joguem como jogaram hoje. Gerando chances de gol, atacando e pressionando. Precisamos desse estado de ânimo que nos permita melhorar.

Jorge Sampaoli aproveitou a conversa com os jornalistas para falar sobre o carinho que vem recebendo dos torcedores do Santos pelo trabalho que vem conseguindo apresentar no comando da equipe. O treinador, que nasceu na Argentina, destacou que fica bastante feliz com a aceitação que tem no Brasil por ser estrangeiro. E completou comentando sobre ter recebido o terceiro cartão amarelo, o que o fez ficar automaticamente suspenso para a próxima rodada da competição:

- O carinho é o que percebo da gente é exagerado. O futebol gera auto-pressão. Eu convivo muito com a gente do dia a dia e estão ilusionados. Hoje, lotamos o estádio e isso estava pendente entre nós e a torcida. Seguramente, vai estar lotado semana que vem. Que a torcida venha, depende do que fazem os jogadores. Fico feliz com a aceitação que tive aqui com um país que não é o meu e com pessoas que me tratam tão bem. Sobre a suspensão, vou ter que aprender um pouco a cuidar da minha postura, da presença na área técnica. Esse negócio de ficar fora não é cômodo.

Pelo Campeonato Brasileiro, o Santos volta a campo no próximo domingo - às 11h, recebe o Goiás.