Ponte x Guarani

Reprodução/SporTV

Futebol Latino
07/10/2020
09:36
Campinas (SP)

Se o Guarani segue pressionado após o jogo da última terça-feira (6), a Ponte sai com a sensação inversamente prorpocional do Dérbi 197 após o triunfo por 2 a 0 no Moisés Lucarelli.

Depois das derrotas para Cruzeiro e Juventude, a equipe em que João Brigatti foi sucedido no comando técnico pelo interino Fábio Moreno conseguiu retomar o caminho das vitórias e ascendeu para a terceira posição na tabela da Série B com 24 unidades, cinco a menos do que o líder Cuiabá.

Na saída do gramado, o autor de um dos gols (o zagueiro Luizão) concedeu entrevista onde aproveitou para fazer agradecimentos especiais e também, em certo momento, desabafar sobre os momentos negativos vividos por ele e seus companheiros.

- Antes de responder perguntas, eu queria agradecer meus familiares, minha esposa, Rafaela, meu filho, Luiz Augusto, minha filha Luiz, que sempre estão do meu lado, a minha terapeuta, Fátima, que tem me ajudado bastante, e independente de gol contra ou a favor eu estava trabalhando, sei do meu potencial. Em nenhum momento deixei me abalar pelas críticas, não estou na Ponte Preta à toa. Eu fiz um trabalho para estar aqui, estou e eu tenho certeza de que passamos, sim, momentos ruins, mas eu venho trabalhando bastante. Quando eu erro, quando eu acerto... hoje nós ganhamos de 2 a 0, mas não está bom, amanhã nós vamos ver os erros que nós tivemos e continuar trabalhando - disse Luizão, completando: 

- Só queria tranquilizar o torcedor e dizer que a gente não está aqui de brincadeira. A gente vem escutando as críticas merecidas, realmente temos tomado muitos gols, mas a equipe não deixou de trabalhar nem um minuto. Quando eles vem nos cobrar, a nossa própria cobrança é muito maior. Quando acabam os jogos nós vamos olhar os vídeos, ver os nossos erros. Então é dar tranquilidade ao torcedor, a toda nação ponte-pretana que pode ter certeza que esse ano é um ano de acesso. 

Sobre a gestão até aqui de Fabio Moreno à frente do plantel, o defensor de 33 anos entende que o gesto do coordenador técnico foi bastante nobre além de elogiar os métodos semanais do trabalho tanto técnico como também motivacional:

- O Fabinho veio nos agradecer e a gente é que tem agradecer a ele de ter a disposição de assumir um time nessa situação. Viemos de duas derrotas, tomamos seis gols em dois jogos. É parabenizá-lo pelo trabalho durante a semana, motivou e o resultado quando se trabalha bem é o resultado dentro de campo.