Participação de paratletas russos na cerimônia de encerramento das Olimpíadas de Inverno  Inverno de Sochi, em 2014

Participação de paratletas russos na cerimônia de encerramento das Olimpíadas de Inverno Inverno de Sochi, em 2014 (Foto: Kirill Kudryavtsev/AFP)

LANCE!
02/03/2018
19:25
Rio de Janeiro (RJ)

A Rússia segue fora da Paraolimpíada de Inverno de PyeongChang. O IPC (Comitê Paraolímpico Internacional) declarou nesta quinta-feira o país continua excluído da competição, que começa na próxima sexta-feira, e não irá rever a decisão. À Folha, o comitê internacional afirmou que a decisão do COI (Comitê Olímpico Internacional) em revogar a suspensão da delegação não interfere na exclusão da Rússia dos Jogos Paraolímpicos. A pena foi aplicada devido a divulgação de escândalos de antidoping envolvendo a Rússia.

- O Comitê Paraolímpico Russo ainda tem dois grandes requisitos para cumprir antes de ser reintegrado pelo IPC - declarou a organização.

Ainda segundo o IPC, a suspensão será mantida até que haja um novo credenciamento da Rusada (Agência Antidoping da Rússia) pela Wada (Agência Mundial Antidoping). Após a emissão de novos documentos, o caso pode ser revisto. Além disso, para voltar às competições, o país terá que apresentar resposta específica sobre as provas contidas nos relatórios de Richard McLaren, que mostram o envolvimento do governo no escândalo de doping acometido após os jogos de Inverno de Sochi, em 2014.

Vale lembrar que a Rusada perdeu o registro em 2015 por não seguir as normas estabelecidas pelo Código Mundial Antidoping. De acordo com o apontamento dos relatórios do professor de direito da Western University, do Canadá, mais de mil atletas russos teriam se beneficiado de um sistema forjado para encobrir resultados de exames antidoping. O governo nega qualquer envolvimento no caso.

Posteriormente, cerca de 160 atletas russos foram autorizados pelo COI a participar das provas dos Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang de forma neutra, utilizando a sigla OAR (Atletas Olímpicos da Rússia, em inglês). Estes foram submetidos a testes internos com intenção de comprovar que nunca tiveram caso de doping e também foram proibidos de portar a bandeira do país e cantar o hino da Rússia durante a competição.

O IPC também permitirá que apenas uma cota de russos participe das provas de esqui alpino, biatlo, esqui cross-country, snowboard e curling em cadeira de rodas. Eles também terão que provar que realizaram pelo menos dois testes antidoping no último semestre e usarão uniformes com a sigla NPA (Atletas Paraolímpicos Neutros).