Gabriel vem em alta no Judô e sonha em participar dos jogos olímpicos de Tóquio (Foto: Beatriz Lina)

Gabriel vem em alta no Judô e sonha em participar dos jogos olímpicos de Tóquio (JAP) em 2020  (Foto: Beatriz Lina)

TATAME
11/05/2019
14:04
Rio de Janeiro (RJ)

Gabriel Mendes, natural de Alagoas, é um dos nomes mais fortes do Judô nos Estados Unidos. O faixa-preta reforça o status com os resultados nos torneios – são 17 medalhas de ouro seguidas, desde março de 2017, em torneios na Terra do Tio Sam. O mais recente foi em fevereiro, onde Gabriel foi campeão no San Jose Buddhist and Sensei Memorial Invitational Judo Tournamen, na Califórnia (EUA).

Com a experiência de quem treina há 20 anos, desde criança, Gabriel conta o segredo do bom rendimento nas competições: - Com o tempo e experiência vem mais maturidade na hora de lutar e assim você consegue manter a calma e analisar mais a luta, visualizando mais o que é preciso para sair com a vitória. Claro sem um bom treinamento técnico e preparação física nada disso seria possível - reflete Gabriel, que ainda treina Jiu-Jitsu duas vezes por semana, para completar o treino de solo. Vale ressaltar que Gabriel é faixa-azul e já disputou um Mundial da IBJJF.

Os bons resultados do brasileiro chamaram a atenção da Seleção de Judô dos Estados Unidos, que o convidou para fazer um intercâmbio com seus atletas no Colorado Springs, no Colorado, em seu centro de treinamento para atletas profissionais da modalidade.

- Já estive nesse treinamento nos últimos dois anos. O treino ocorre no Centro Olímpico Americano em Colorado Springs, onde a seleção americana se reúne durante uma semana pra intensificar os treinos e ficar preparada para as próximas competições, como Campeonato Mundial e Pan-Americano. A estrutura do Centro Olímpico é impressionante, com tudo que um atleta precisa, desde refeitório com alimentação balanceada a centro de fisioterapia altamente equipado. É uma semana de bastante treino. São dois treinos por dia, onde se foca mais na parte técnica na parte da manhã e mais treino de handori (luta) na parte da tarde - detalha Gabriel.

Por conta dos dois títulos seguidos que tem no Us Open, competição aberta para todo os países, Gabriel foi eleito o atleta destaque. Com 850 atletas em disputa, de 25 países diferente, ele foi o melhor. Com um currículo de recheado de conquistas, o jovem brasileiro fala da importância de treinar nos Estados Unidos e como essa troca de experiência ajuda na propagação do esporte.

- Durante esses treinamentos com a seleção ou durante os treinos que tenho na Studio 540, várias praticantes vêm tirar dúvidas sobre posições ou sobre qual o melhor jeito de fazer uma técnica. Como sou um atleta mais experiente sempre tento apresentar minha visão sobre determinada situação na hora da luta ou do treinamento da técnica. Quando a Confederação Americana me chama para os treinamentos de campo é para tentar ser o melhor treino possível para os atletas e puxar eles ao máximo. E eu consigo ajudá-los fazendo com que eles treinem mais forte - explica Gabriel, que volta a competir em julho e sonha em disputar a próxima Olimpíadas, em 2020, no Japão.